Tensões na fronteira entre Rússia e Turquia vêm desde o começo de outubro

  • Por EFE
  • 24/11/2015 11h26
Avião de guerra russo pega fogo à medida em que é abatido e cai na fronteira entre a Síria e a Turquia

O bombardeiro russo Su-24 derrubado pela Turquia na fronteira com a Síria nesta terça-feira após ter supostamente violado o espaço aéreo turco é mais um episódio da tensão registrada na região entre Ancara e Moscou.

Em outubro, o governo da Turquia denunciou a invasão de seu território por aviões de guerra russos em uma manobra na Síria para bombardear alvos da oposição ao regime de Bashar al Assad.

  • 3 de outubro.- Um avião russo em missão na Síria viola o espaço aéreo turco e é interceptado pela aviação deste país, que o obrigou a se retirar.
  • 4 de outubro.- Um avião russo penetra no espaço aéreo turco, em um fato similar ao ocorrido o dia anterior. O ministro das Relações Exteriores da Turquia volta a pedir explicações ao embaixador russo no país.
  • 5 de outubro.- A Otan convoca uma reunião para avaliar a incursão de um avião russo no espaço aéreo da Turquia, um fato considerado “inaceitável” pela organização. A Rússia reconhece que um de seus aviões violou o espaço aéreo turco e atribuiu o incidente às más condições meteorológicas, embora garanta que já tomou as medidas necessárias para que casos como este não se repetissem no futuro.
  • 6 de outubro.- Turquia denuncia uma segunda violação em três dias de seu espaço aéreo por parte de aviões militares russos, o que motiva uma nova queixa diplomática.
  • 16 de outubro.- Turquia derruba um drone perto da fronteira com a Síria. Funcionários do governo dos Estados Unidos americanos acreditam que a aeronave era de origem russa, informaram fontes americanas ao jornal “The Washington Post” e à “CNN”.