Tesoureiro do PT será conduzido a prestar depoimento na Operação Lava Jato

  • Por Agência Estado
  • 05/02/2015 09h19
BRASÍLIA, DF, BRASIL, 04-05-2010, 15h50: O tesoureiro do PT (Partido dos Trabalhadores) e ex-presidente da Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo) João Vaccari Neto, em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito das ONGs do Senado, em Brasília (DF). Vaccari é investigado por suspeita de desvios da cooperativa para campanhas petistas e irregularidades na aplicação de dinheiro de fundos de pensão. Instalada em outubro de 2007, a CPI se destina a apurar "a liberação, pelo Governo Federal, de recursos públicos para organizações não governamentais - ONGs - e para organizações da sociedade civil de interesse público - OSCIPs, bem como a utilização, por essas entidades, desses recursos e de outros por elas recebidos do exterior". (Foto: Sérgio Lima/Folhapress, 0621)João Vaccari Neto

A Policia Federal cumpre mandado de condução coercitiva contra o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, na nona fase da Operação Lava Jato, deflagrada na manhã desta quinta-feira, 5. Vaccari será obrigado a prestar depoimento e será liberado logo em seguida.

O tesoureiro do PT foi citado em depoimentos da Operação Lava Jato, entre eles os prestados pelo doleiro Alberto Youssef, como operador do esquema de corrupção na Petrobras, que envolvia repasses de recursos desviados de grandes obras da estatal para o partido.

Segundo as investigações, Vaccari também operaria no fundo de pensão Petros, alvo do esquema. A PF descobriu também que a cunhada do petista, Marice Lima, foi destinatária de recursos da empreiteira OAS, envolvida no escândalo de corrupção.

Desde que seu nome foi mencionado nas investigações, Vaccari nega qualquer relação com esquema de desvio na estatal e que os valores recebidos pelo PT foram declarados aos órgãos competentes.

Andreza Matais e Fábio Fabrini/AE