Testes de vacina contra dengue levarão pelo menos um ano no Instituto Butantã

  • Por Agência Estado
  • 29/12/2015 08h19
VINHEDO, SP - 01.04.2015: MOSQUITO-DENGUE: Mosquito da dengue (Aedes aegypti), conhecido como pernilongo ou pernilongo-rajado. É considerado vetor de doenças graves como o dengue, a febre amarela, a febre zika e a chikungunya. (Foto: Cadu Rolim /Fotoarena/Folhapress) ORG XMIT: 980029Zika vírus

Existem dúvidas sobre como a aprovação da vacina contra a dengue desenvolvida pela Sanofi Aventis afetará o desenvolvimento da vacina contra a doença do Instituto Butantã. O problema é que o desenho aprovado em São Paulo previa que um grupo dos voluntários nos testes usaria placebo, uma substância inócua. Tal estratégia é praxe quando não há alternativas mais eficazes para prevenção.

A dúvida, no entanto, é se tal desenho é ético quando há outros produtos com eficácia comprovada no mercado. Além disso, a expectativa é de que ficará mais difícil para recrutar voluntários interessados em fazer a pesquisa. Questionado, o Butantã afirmou que não haverá nenhuma mudança no planejamento.

A vacina paulista, já na última fase de testes clínicos, deverá levar pelo menos mais um ano para ser aprovada, de acordo com o diretor substituto do instituto, Marcelo De Franco. “Nosso protocolo para realização dos testes clínicos é de cinco anos. Mas o registro pode sair bem antes, dependendo da comprovação de eficácia. Com base na nossa experiência em epidemias, é bem provável que tenhamos esses resultados dentro de um ano ou um ano e meio”, disse.

Segundo Franco, a fase 3 dos testes clínicos já começou e o instituto está montando a estrutura dos centros que farão a captação de 17 mil voluntários em cinco cidades. Todas as doses que serão usadas estão preparadas.

*As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.