União Europeia: Após 60 anos, líderes adotam otimismo mesmo sem Reino Unido

  • Por Estadão Conteúdo
  • 25/03/2017 11h03
GRA010. ROMA, 25/03/2017.- Los jefes de Estado o de Gobierno de los 27 países de la Unión Europea (UE), sin Reino Unido, conmemoran hoy en la capital italiana el 60 aniversario de los Tratados de Roma y firmarán una declaración sobre el futuro del bloque comunitario. En la imagen los líderes de los Estados miembro de la UE, junto a autoridades comunitarias, al inicio de la ceremonia en el Campidoglio, sede del Ayuntamiento romano y donde en 1957 se firmaron los fundacionales Tratados de Roma. EFE/Antonello NuscaChefes de Estado de 27 países europeus

Os líderes da União Europeia marcaram o 60º aniversário de seu tratado de fundação neste sábado como um ponto de mudança de tendência em sua história, sabendo que o Reino Unido vai desencadear oficialmente o processo de divórcio do bloco na próxima semana.

Os líderes presentes na reunião tentaram passar a mensagem de que a união é o único caminho a percorrer em um mundo globalizado, mas a ausência da primeira-ministra britânica Theresa May foi um símbolo da crise que os outros 27 países da UE estão passando.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, chamou o Brexit de “uma tragédia”. O Presidente do Conselho da UE, Donald Tusk, disse que a única forma de a UE sobreviver é a unidade sustentada. “A Europa como uma entidade política será unida ou não será”, disse ele aos líderes do bloco em uma sessão solene, precisamente no mesmo recinto ornamentado da antiga Colina do Capitólio, onde foi assinado o Tratado de Roma que fundou a UE Em 25 de março de 1957.

“Só uma Europa unida pode ser uma Europa soberana em relação ao resto do mundo”, disse Tusk. “Só uma Europa soberana garante a independência de suas nações, garante a liberdade para seus cidadãos”, completou.

Em uma série de discursos, os líderes da UE também reconheceram como o bloco se desviou para uma estrutura complicada que lentamente perdeu contato com seus cidadãos, agravada pela grave crise financeira que atingiu vários países membros na última década.

O primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, que foi anfitrião da cúpula, disse que nos últimos 12 anos o desenvolvimento da UE tinha parado. “Infelizmente, paramos”, disse ele. “Isso provocou uma crise de rejeição”.

Ao mesmo tempo, porém, a cúpula na Roma passou também uma mensagem de otimismo. “Sim, temos problemas, sim, há dificuldades, sim, haverá crise no futuro, mas estamos juntos e avançamos”, disse Gentiloni. “Temos força para começar de novo”

No final da sessão, os 27 líderes assinaram uma nova Declaração de Roma dizendo que “a unidade europeia é um empreendimento audaz e sólido”. “Nós nos unimos para melhor. A Europa é o nosso futuro comum “, disse a declaração. Fonte: Associated Press.