Uruguai diz na ONU que não é modelo para ninguém ao legalizar maconha

  • Por Agencia EFE
  • 13/03/2014 18h43

Viena, 13 mar (EFE).- O Uruguai não quer ser modelo para outros países com sua lei sobre a regulação da produção, distribuição e venda de maconha, declarou nesta quinta-feira em reunião da ONU em Viena o pró-secretário da presidência e presidente da Junta Nacional de Drogas, Diego Cánepa.

Em discurso diante de delegados de mais de 120 países reunidos hoje na Comissão de Narcóticos da ONU, Cánepa afirmou que o problema da droga no Uruguai é muito específico.

“Não achamos, nem queremos, ser modelo para ninguém”, disse Cánepa, ao mesmo tempo em que negou que a experiência que está sendo desenvolvida no Uruguai com a legalização possa ser imitada por outro país.

“O Uruguai tenta encontrar caminhos alternativos que atinjam realmente a saúde e o bem-estar de nossos compatriotas”, manifestou o chefe da delegação uruguaia, cujo discurso era um dos mais esperados hoje.

Cánepa defendeu assim a polêmica legalização da maconha, que na opinião da Jife – o órgão das Nações Unidas que zela pelo cumprimento da legislação global sobre drogas – transgride a legislação internacional.

“O objetivo da lei uruguaia é combater o tráfico ilegal da maconha, ao mesmo tempo preservar a saúde pública da totalidade da população”, disse Cánepa.

Além do Uruguai, os estados do Colorado e Washington, nos Estados Unidos, legalizaram a maconha para fins recreativos. O representante uruguaio destacou que desde 1974 não se penaliza o consumo de droga em seu país.

Cánepa afirmou hoje que o problema das drogas “requer um enfoque múltiplo, de uma grande flexibilidade, de compreensão por realidades diferentes, aceitando a possibilidade de transformações das legislações nacionais ou de impulsionar mudanças na legislação internacional”.

O representante uruguaio lembrou que as Nações Unidas asseguraram recentemente que é preciso recuperar o “espírito original dos tratados (de drogas), que se centra na saúde”.

“Continuar com o projeto e a aplicação de instrumentos rígidos, inflexíveis, nos afasta do cumprimento do espírito das convenções e nos arroja a uma espiral de violência sem fim”, assinalou Cánepa.

“Devemos reconhecer a evidência da realidade, que demonstra em nossa opinião, o profundo fracasso das políticas implementadas nas últimas décadas nesta matéria”, acrescentou o representante uruguaio.

Dado esse fracasso, “não assumir o desafio e não atuar seria um erro imperdoável que seguiriam pagando os mais fracos de nosso mundo”, concluiu.

A Jife repetiu que a lei uruguaia viola as normas internacionais porque estas permitem o uso de maconha só para fins médicos e científicos, e não recreativos.

O presidente da Jife, o belga Raymond Yans, reiterou hoje a vigência das convenções internacionais sobre drogas e ressaltou que haviam “limitado o consumo” ao “controlar a oferta” de entorpecentes.

“Quem assumirá a responsabilidade política se, ao tornar as drogas acessíveis sem controle médico, achemos uma geração incapazes de concentrar-se em suas tarefas elementares?”, indicou Yans.EFE