Vereador tenta agredir jovem do MBL em tumultuada sessão sobre o Uber em SP

  • Por Jovem Pan
  • 21/04/2016 12h38
SP - AUDIÊNCIA PROJETO DE LEI 421/2015 - GERAL - Confusão durante última audiência pública sobre o projeto de lei 421/2015, em São Paulo (SP), nesta quarta-feira (20). O projeto de lei regulamenta o compartilhamento de veículos por aplicativos, tais como UBER em São Paulo. 20/04/2016 - Foto: SUAMY BEYDOUN/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOVereador Adilson Amadeu (PTB-SP) teve de ser contido por colegas e pela polícia para não agredir integrante do MBL (Movimento Brasil Livre)

Audiência pública sobre projeto de lei que regulameta o Uber voltou a ter tumulto nesta quarta (20) na Câmara Muncipal de São Paulo. Houve três interrupções devido a brigas entre taxistas e defensores do serviço.

O vereador Adilson Amadeu (PTB), defensor dos taxistas, quase chegou às vias de fato com integrante do Movimento Brasil Livre (MBL), que participou da reunião.

O parlamentar justificou a confusão dizendo que teria sido provocado pelos apoiadores do aplicativo. “Estavam provocando e fazendo gestos obscenos. Sou respeitoso, sim, mas não me agrido como aquele menino que ficava mostrando o dedo e provocando todo mundo”, disse.

Assista a um dos momentos de confusão, em que, estimulado por gritos de “Bate nele, vereador”, Amadeu parte para cima do jovem, que estava sendo retirado da tribuna pela polícia da Câmara:

Outra confusão

No último 6 de abril, Amadeu já havia feito gesto semelhante contra executivo do Uber também em audiência na Câmara. “Ele está rindo, está provocando”, alegava o vereador. Naquele dia, ele deu um tapa na câmara de um repórter fotográfico que registrava a situação também. Relembre com vídeo da TV Folha aqui.

A audiência

Na audiência foi discutido como poderá ser feita a regulamentação do aplicativo na capital. A Prefeitura propõe a venda de créditos para empresas que quiserem operar na cidade com serviço semelhante ao Uber.

A votação do projeto de lei será realizada na quarta-feira da semana que vem, 27.

O diretor da SP Negócios, Ciro Biderman, explica que a capital paulista poderia ter 12 mil carros a mais do que os que já estão licenciados.

“Nos nossos estudos, 50 mil táxis e equivalentes o mercado comportaria com tranquilidade, sobretudo se você começa a atingir esses mercados que estão carentes de oferta, Ou seja, 12 mil a mais do que tem hoje”.

Esses serviços, de acordo com Biderman, podem ser Uber, Táxis pretos ou até mesmo outros aplicativos que deverão começar a atuar em São Paulo em breve.

Com informações do repórter JP Anderson Costa