Vítimas de estupro coletivo são ouvidas em Teresina

  • Por Agência Brasil
  • 25/06/2015 19h31
***ENSAIO ESPECIAL FOLHAPRESS*** NÃO COMERCIALIZAR/ENVIAR OU AUTORIZAR USO DAS FOTOS DE FRANKLIN FURTADO OU A REPRODUÇÃO DA GAROTA DANYELLE **** CASTELO DO PIAUÍ, PI, 11.06.2015: VIOLÊNCIA-PI: O Jovem Franklin Furtado Sales, 22; mostra o lugar onde ele encontrou as meninas apos subir o Morro do Garrote com alguns companheiros. Quando as jovens foram dadas como desaparecidas nos arredores do morro, a mãe de Franklin ligou para ele para que ele ajudasse na busca já que conhece muito bem a região e, segundo ele, os policiais se negaram a entrar no mato. As jovens foram jogadas de uma altura de aproximadamente 10 metros (de onde a foto foi feita). Jovens adolescentes (B.F.O, 15 anos, G.V.S., 17 anos, I.V.I, 15 anos, e J.S.R, 16 anos) raptaram, e violentaram coletivamente quatro garotas (duas de 15, uma de 16 e uma de 17 anos) no final da tarde de 27 de maio, e depois as amarraram e as jogaram de um desfiladeiro, com intuito de matá-las. Eles são acusados de raptar, estuprar e tentar matar quatro meninas (duas de 15, uma de 16 e uma de 17 anos) no final da tarde de quarta-feira da semana passada, 27 de maio. O crime imputado aos jovens e ao desempregado Adão José de Sousa, 40 anos, gerou revolta na cidade, que ainda vive clima de luto. Todas as quatro vitimas continuam internadas em estado delicado. (Foto: Fabio Braga/Folhapress). Fabio Braga/Folhapress Luto em escola de Castelo do Piauí

As três vítimas sobreviventes do caso de estupro coletivo em Castelo do Piauí foram ouvidas nesta quinta-feira (25) pela Justiça. Segundo o promotor do caso, Cesário Cavalcante, a audiência foi realizada na 2ª Vara da Infância e Juventude de Teresina, cidade onde estão as três meninas.

Segundo o promotor, as meninas não têm conhecimento de toda extensão dos fatos. “Mas dentro dos limites delas, da forma em que se encontram, foi muito proveitosa a audiência, as declarações delas.”, disse o promotor.

No total, a sessão durou aproximadamente duas horas e meia. Uma das meninas, que ainda está internada, também compareceu. As três estavam acompanhadas dos pais e, de acordo com o promotor, elas ainda estão muito afetadas.

Cavalcante explica que, com as declarações de hoje, ficam encerradas as audiências sobre o caso. “Agora, a próxima fase é a das alegações finais. Vamos fazer um levantamento de tudo, dos depoimentos, dos laudos, para ver se provam que eles são os autores dos crimes”.

Depois desta fase, o processo será encaminhado ao juiz. Caso seja comprovada a participação do adulto, o promotor pedirá que ele seja pronunciado e encaminhado para julgamento no tribunal do júri. Já no caso dos menores, será pedida a internação para cumprimento de medida socioeducativa. “Se ficar provado tudo que narrei na minha representação, vou pedir para o juiz determinar a internação definitiva dos menores, porque eles, atualmente, estão internados provisoriamente, por 45 dias”, disse o promotor.

Segundo ele, a vítima que ainda está no hospital deve receber alta em breve. Ele disse que as meninas estão sendo acompanhadas por psicólogos, e que estão reagindo positivamente.

Os crimes ocorreram no dia 27 de maio, segundo a Polícia Civil, em Castelo do Piauí, distante 190 quilômetros de Teresina. As quatro garotas, com idades entre 15 anos e 17 anos, foram encontradas violentadas e desacordadas. No último dia 7, uma das jovens violentadas, de 17 anos, morreu em decorrência de esmagamento da face e de lesões no pescoço e no tórax.

As investigações indicaram que elas foram estupradas, agredidas e arremessadas do alto de um penhasco. Quatro menores foram apreendidos e um adulto preso, suspeitos de envolvimento no crime.