40,32% querem mudança de governo e de governante

  • Por Jovem Pan
  • 21/03/2014 11h45

Reinaldo, o Ibope divulgou uma nova pesquisa eleitoral. Por que você diz que a presidente Dilma deve comemorar com cautela, embora ainda pudesse vencer no primeiro turno se a eleição fosse hoje?

Bem, em primeiro lugar porque a eleição não é hoje. Em segundo lugar, mas mais importante, porque a pesquisa captou uma enorme insatisfação do eleitorado com o governo. No cenário mais provável da disputa, Dilma aparece 43% dos votos, contra apenas 15% de Aécio Neves, do PSDB, e 7% de Eduardo Campos, do PSB.

Num eventual segundo turno Dilma venceria Aécio por 47% a 20% e Campos por 47% a 16%. Até aqui, como percebem os ouvintes, tudo parece um mar de rosas para Dilma. Ocorre a presidente tem dois complicadores pela frente que podem encher de esperança os corações oposicionistas.

Nada menos de 64% dos que responderam a pesquisa dizem que o próximo presidente tem de mudar totalmente ou mudar muita coisa no governo. E agora o fator que deve deixar Dilma assustada. Entre esses que querem mudanças, só 27% esperam que elas aconteçam com a própria Dilma. Nada menos de 63% querem mudar tanto o governo como o governante.

Então vamos fazer umas continhas. De cada 100 pessoas, 64 querem mudar tudo ou muita coisa. Dessas 64, uma expressiva maioria de 63%, ou seja, 40,32% querem mudar também de presidente. Repararam? A soma dos votos de Aécio e Campo, por enquanto, é de apenas 22 pontos percentuais. Mas nada menos de 40,32% dos que responderam a pesquisa querem Dilma fora da presidência. O que significa? Que nem Aécio nem Campos encarnaram ainda o necessário espírito mudancista.

E agora chega o segundo fator que pode mudar a situação de Dilma. O Ibope listou o nome dos candidatos e quis saber se os eleitores votariam naquela pessoa com absoluta certeza, se até poderiam fazê-lo, se não o fariam de jeito nenhum ou se nem a conhecem. Os números são muito interessantes, a rejeição é praticamente a mesma para os três. 38% se recusariam a votar em Dilma, 39% em Campos e 41% em Aécio.

Votam em Dilma com absoluta certeza 36%, um índice bom. Em Aécio 11%. E em Campos 5%. Até poderiam votar na petista 19%, em Aécio 22% e em Campos 21%. Onde é que o bicho pega para Dilma? Só 7% não a conhecem o suficiente ou não sabem que é ela. Esse número chega a 27% com Aécio e a 35% com Campos.

Quando se considera quando 40,32% das pessoas que responderam gostariam que Dilma deixasse a presidência para que se pudesse ter um governo totalmente ou muito diferente desse e quando se verifica que mais ou menos um terço do eleitorado desconhece os candidatos da oposição, é evidente que se deve supor que muito dificilmente Dilma vencerá a disputa no primeiro turno.

Notem, 32% dizem querer um governo igual, ou quase igual, ao que aí está. Entre os 64% que querem mudanças, 27% , ou 17,28% do total, acham que elas poderiam ser feitas pela própria Dilma. Somando-se os dois grupos, chegasse a 49,28%¨. No fim das contas, esses são os números que contam, os 40,32% que querem mudar tudo, inclusive Dilma, contra os 49,2% que ou não querem mudar nada, ou aceitam mudanças, mas com a presidente.

A diferença, como se vê, é muito menor do que aquela que se verifica na pesquisa por intenção de votos. Quando se constata que quase todo mundo conhece Dilma e que muita gente ainda desconhece seus opositores, o que parecei um cenário tranquilo para a petista esconde na verdade riscos nada desprezíveis.