Absolvição de meia delação premiadíssima pode desmoralizar instrumento

  • Por Jovem Pan
  • 23/06/2017 15h32
Reprodução Wesley e Joesley Batista - Reprodução

Ao rejeitar revisão de acordo que condenou Joesley à impunidade eterna, o STF imagina ter impedido que os advogados dos quadrilheiros passassem a contestar todas as revelações de quem deseja colaborar com a justiça.

O problema é que, ao absolver a meia delação premiadíssima, o STF chancelou um papelório que pode desmoralizar o instrumento jurídico que iluminou a face escura do Brasil.

O correto seria percorrer um caminho do meio

As vigarices reveladas por Joesley imploram por investigações e, se for o caso, castigo. Se Temer e Aécio fizeram o que parecem ter feito, merecem o purgatório.

Joesley está obrigado a exumar a metade que falta.

Figurões do judiciário, executivo e legislativo temem em fechar os olhos ao Brasil que a Lava Jato despertou.

É um país que exige a punição de todos os culpados

Com o sumiço dos velhacos hegemônicos, será muito mais fácil começar tudo de novo.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.