Aécio Neves anuncia projeto de lei com exclusividade à Jovem Pan

  • Por Jovem Pan
  • 02/05/2014 14h54

Reinaldo, o senador Aécio Neves disse que vai apresentar um projeto de lei para a correção automática da tabela do Imposto de Renda, segundo o IPCA. É isso mesmo?

Foi o que ele anunciou ontem em primeira mão no programa Os Pingos nos Is, aqui na Jovem Pan, que vai ao ar todos os dias entre 18h e 19h.

Afirmou Aécio: “Estou apresentando na segunda-feira uma emenda à essa Medida Provisória, a da presidente Dilma que corrige a tabela do IR em 4,5%, garantindo pelos próximos cinco anos um reajuste na tabela do Imposto de Renda pelo índice inflacionário global, e não por uma parcela do índice inflacionário. Corrigindo as perdas reais dos trabalhadores brasileiros e tirando esse tema da agenda política oportunista, como buscou fazer a presidente da República”.

Ou seja, a tabela do IR seria ajustada segundo o IPCA, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, isso caso a proposta de Aécio prospere. Na entrevista concedida ao programa, o senador mineiro criticou a forma como Dilma tratou a questão.

Disse: “Quando ela fala da correção da tabela do Imposto de Renda no seu pronunciamento, ela omite os percentuais desse reajuste”. E acrescentou: “Na verdade ela propõe um reajuste de 4,5% para uma inflação de 6%”.

Aécio parece desconfiar também dos reais motivos do anúncio da presidente. O que eu vejo é que basta a oposição crescer um pouco nas pesquisas que começa a haver algumas bondades para os trabalhadores. E são bem-vindas, mas deveriam ser feitas com maior responsabilidade e falando a verdade.

Aécio anunciou também que a oposição não vai se limitar a recorrer à Justiça Eleitoral contra o discurso de Dilma feito na quarta-feira: “Vamos recorrer na segunda-feira ao Ministério Público por improbidade, porque isso foi pago com nosso dinheiro e é inaceitável”. O senador se refere à lei 8.429 que, no inciso segundo do artigo 10, diz ser improbidade administrativa permitir ou concorrer para que pessoas, física ou jurídica ou privada, utilize bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial do Estado sem observância das formalidades legais.

Foi exatamente o que Dilma fez ao recorrer à rede nacional de rádio e televisão. Trata-se de um bem público, e ele foi utilizado em favor de um ente privado, que é o Partido dos Trabalhadores. Improbidade administrativa portanto.