Alexandre Borges: Se quiser fugir de filas nos cinemas, assista ‘Estrada sem Lei’ na Netflix

  • Por Alexandre Borges/Jovem Pan
  • 26/04/2019 09h21 - Atualizado em 14/05/2019 13h44
ReproduçãoMinha dica para você que quer fugir das filas e da confusão é ver uma verdadeira obra-prima politicamente incorreta que está em cartaz no Netflix

No final de semana em que os fãs de cinema estão falando em Vingadores: Ultimato, o arrasa quarteirão da Marvel que tomou conta das principais salas do país, minha dica para você que quer fugir das filas e da confusão é ver uma verdadeira obra-prima politicamente incorreta que está em cartaz no Netflix da sua casa.

“Estrada Sem Lei”, ou “The Highway Man” no original, já nasceu clássico. Dirigido por John Lee Hancock, o mesmo de “Um Sonho Possível” de 2009 com Sandra Bullock, e com roteiro de John Fusco, de “A Cabana”, conta a história real dos policiais Frank Hamer, vivido magistralmente por Kevin Costner, e Maney Gault, com Woody Harrelson numa atuação consagradora, dois Texas Rangers aposentados que saem à caça de Bonny e Clyde, os criminosos mais conhecidos e populares dos EUA.

Tudo se passa em 1934 e é um daqueles filmes que lembram como a sétima arte pode ser genial e arrebatadora, com elegância, inteligência e sem fazer qualquer concessão à agenda política dominante de Hollywood de colocar bandidos como heróis e policiais como bandidos.

O filme é uma produção original da Netflix e é tão bom que dá para entender porque alguns membros da academia querem proibir a gigante da TV de disputar o Oscar, cada vez mais refém de agendas políticas que afagam a elite branca culpada dos milionários de Hollywood em total desconexão com a realidade e com o público.

Em “Estrada Sem Lei”, não há qualquer dúvida de quem está do lado da lei e a ordem e quem representa o crime e o mal. Num momento marcante do filme, o policial Frank Hamer conhece o pai de Clyde e ouve dele todo um discurso sentimentalista de que o filho só caiu no crime porque roubou uma galinha. Hamer ouve tudo e responde contando a própria história de vida e como virou policial, depois perguntado ao pai do criminoso se ele alguma vez se perguntou o que poderia haver no filho que fez ele roubar aquela galinha em primeiro lugar.

Numa época em que, como disse Shakespeare na abertura de “Macbeth”, o bom é mau e o mau é bom, os Texas Rangers voltam para colocar tudo de volta no lugar. Se você quer enfrentar as salas lotadas do final de semana para encarar Vingadores: Ultimato, boa sorte. Mas se quiser ficar em casa, não perca o espetacular “Estrada Sem Lei”.