Alexandre Borges: Um choque de capitalismo para o Brasil

  • Por Alexandre Borges/Jovem Pan
  • 30/04/2019 09h25 - Atualizado em 14/05/2019 13h44
Flickr/Retratos do BrasilO Governo promete para esta terça-feira (30) o lançamento da Medida Provisória da Liberdade Econômica

O governo promete para esta terça-feira (30) o lançamento da Medida Provisória da Liberdade Econômica, que promete desburocratizar e facilitar a vida do empreendedor. Nas palavras do presidente Jair Bolsonaro, a MP vai “tirar o governo do cangote do brasileiro”.

O Brasil é um dos piores países do mundo para abrir empresas e fazer negócios, graças à absurda carga tributária, a quantidade de regulações e impostos, os custos trabalhistas, frutos de leis herdadas do fascismo italiano, a baixa produtividade média do trabalhador médio e inúmeros outros problemas que fazer do empreendedor no Brasil no mínimo um teimoso e no limite um herói.

A colocação do Brasil nos rankings internacionais de negócios não poderia ser pior. No mais importante levantamento do mundo sobre liberdade econômica, feito pelo instituto americano The Heritage Foundation e que é o tema específico da Medida Provisória a ser assinada hoje, nosso país está na inacreditável posição de número 150 entre 180 países medidos.

Os países economicamente mais livres do mundo, segundo a edição deste ano do ranking da The Heritage Foundation, são Hong Kong, Singapura, Nova Zelândia, Suíça e Austrália. Os países que estão nas últimas colocações em liberdade econômica são Zimbábue, Cuba, Venezuela e Coreia do Norte.

Não precisa ser economista ou estudioso da área para escolher onde é melhor viver, trabalhar, estudar e criar os filhos, se nos países mais livres ou nos mais fechados e com mais intervenção do governo na economia. O posicionamento do Brasil nesta lista explica, se não todos, uma grande parte dos problemas que enfrentamos, como o lamentável índice de 14 milhões de desempregados.

A liberdade econômica, política e social é uma raridade no mundo, mas as poucas sociedades que experimentam a liberdade sabem reconhecer seu valor e lutam por sua manutenção. Já o Brasil é daqueles países que acreditam que basta escrever “direitos” em leis para que magicamente o cidadão passe a ter emprego, casa, comida, educação, segurança e dinheiro na conta.

Para distribuir riqueza é preciso criar riqueza e a única maneira de se criar riqueza é pelo empreendedorismo, pela inovação e pela produtividade, problemas históricos do Brasil que a MP da Liberdade Econômica promete começar a resolver.

Se o governo Bolsonaro deixar como legado um país mais livre para empreender, trabalhar e produzir, para gerar riqueza e prosperidade para seus cidadãos, já terá garantido um bom lugar na história.