Avenida Angélica: a grande anfitriã de São Paulo

  • Por Jovem Pan
  • 26/05/2017 19h33
Brasil, São Paulo, SP. 13/05/2011. Trecho da Avenida Angelica com Rua Sergipe, altura do Pão de Açúcar. - Crédito:ROBSON FERNANDJES/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:201881Avenida Angélica - se essa rua fosse minha

Estamos no século 19, mais precisamente no ano de 1872. Dona Maria Angélica de Souza Queiroz Barros – que dá nome à Avenida Angélica – era a proprietária da Chácara das Palmeiras, onde mantinha plantações de chá e grandes capinzais.

Quando anos depois a Chácara foi desmontada, formou-se no local o bairro de Santa Cecília.

Uma das ruas, a Itatiaia, virou a principal ligação entre o centro da cidade e a Avenida Paulista. Mais tarde, essa rua receberia o atual nome de Avenida Angélcia.

Quando se casou, a antiga proprietária da Chácara construiu uma réplica do Palácio de Charlottenburg. Tudo construído com materiais importados da europa.

A aristrocata também era reconhecida por ser boa anfitriã e atuar em prol de obras de caridade e a doação para casas de acolhimento de crianças orfãs.

Mesmo depois da vinda dos prédios, a Avenida Angélica preservou o encanto e elegância, tal qual a da senhora paulista.