Bastidores do PSDB: cresce chance de Serra ser vice de Aécio

  • Por Jovem Pan
  • 06/05/2014 12h05

Reinaldo, José Serra pode ser vice de Aécio Neves?

Se vai não sei, o fato é que o assunto está ganhando corpo no PSDB. E até onde se pode perceber, sem a participação ativa nem de um nem de outro. Olá ouvintes e amigos da Jovem Pan.

O que eu penso a respeito? Acho que formaria uma chapa extremamente competitiva e que se estaria diante de um fato novo na disputa. Este sim, é capaz de mexe com o eleitorado, não apenas com o noticiário, como aconteceu com a união entre Marina Silva e Eduardo Campos.

Se a eleição fosse hoje, e ainda bem que não é, Dilma seria reeleita, embora, e parece que ninguém duvida disso, nem ela mesma saiba muito bem porque. Na verdade, nem o PT. Uma espécie de cartilha apresentada no encontro nacional se ocupa mais em dizer porque seus adversários não podem ser eleitos do que em explicar porque ela deve ser reeleita.

Em política a necessidade é um excelente remédio e uma ótima conselheira. E o país precisa dos tucanos unidos, com ou sem a formação da chapa com os dois nomes, diga-se.

Quem acompanhou os artigos escritos por José Serra nos últimos três anos, que estão em sua página pessoal na internet, sabe que anteviu com precisão quase milimétrica os descaminhos da economia brasileira. Ainda que este ou aquele desvie de eventuais soluções que ele propõe.

Que tenha feito prognósticos e diagnósticos impecáveis, nem os adversários podem negar: está, também há poucas dúvidas a respeito, entre os melhores gestores públicos que há no país. Incluo entre aqueles que como na lista mesmo, não como torcedor, avaliam que o momento é bom para as oposições, em especial para a candidatura do PSDB.

É fato, no entanto, que é preciso avançar, mudar de estágio. E um Serra vice me parece que seria uma solução inteligente. Aécio evidenciaria ainda que foi capaz de unir o partido, acabando com uma fratura histórica.

Mas a solução não pode ser problema. Em lugar de Serra eu moveria uma palha para que isso acontecesse. Em lugar de Aécio, eu faria o convite em hora adequada. Essa solução só é possível se for de fato consensual, ou se eventuais arestas fossem aparadas no mais absoluto silêncio.

Se for preciso quebrar uma mínima lança, mínima que seja, então não vale a pena. Porque aí o ativo vira matéria de rixa política e de questões menores. O PSDB precisa querer.

“Ah, mas se Aécio tivesse topado ser vice de Serra em 2010..”. Em política, em história, não existe “se”, existe o fato. O fato é que as circunstâncias hoje conspiram a favor de uma candidatura de oposição, realmente de oposição. E que a união entre Aécio e Serra é uma resposta com a qual muita gente conta e há muito tempo.

Mas reitero, tem de ser uma operação suave, que torne tudo mais fácil e mais agradável. Como quando se harmoniza uma música. Se for para produzir dissonâncias, convenham, ninguém, muito menos o pais, precisa disso. Mas que seria um golaço da oposição, isso seria.