Bolsonaro pode ser muita coisa, mas definitivamente não é um estuprador

  • Por Rachel Sheherazade/ Jovem Pan
  • 16/12/2014 11h16
Reprodução Jair Bolsonaro se desentende com Maria do Rosário em 2003

Não se sabe se por despeito ou por hipocrisia, o fato é que na cerimônia de diplomação dos parlamentares eleitos, 5 “gatos pingados” do Psol deram as costas ao deputado Jair Bolsonaro.

Era um protesto contra a declaração de Bolsonaro de que não estupraria a deputada Maria do Rosário.

Agora estão todos contra Bolsonaro: partidos de esquerda, alvos constantes dos torpedos do deputado, as feminazis, ou melhor, feministas, as organizações de direitos humanos e congêneres…

O Ministério Público fez uma denúncia contra o deputado pelo mesmo motivo e alguns partidos, pediram a cabeça do político, campeão de votos pelo Rio de Janeiro e, não por acaso, entrando em seu sétimo mandato.

Muita gente se sente representada pelo ex-militar, caso contrário não teria recebido quase 500 mil votos.

A Comissão de Ética da Câmara vai julgar o comportamento de Bolsonaro no plenário.

Mas é bom que se conte essa história do começo para colocar, como diria meu colega Reinaldo Azevedo, todos os pingos nos is.

O episódio na Câmara não foi o primeiro da saga Rosário versus Bolsonaro.

Em 2003, quando ainda era secretária dos Direitos Humanos, dona Maria interrompeu uma entrevista de Bolsonaro e o provocou.

O episódio foi gravado pelas câmeras da RedeTv e todo o bate-boca está disponível na internet:

Enquanto o deputado falava sobre violência e a redução da maioridade penal, Maria acusa primeiro:

– O senhor é o responsável por toda essa violência!
Bolsonaro pergunta:
– Então eu sou estuprador agora?
– É. Afirmou categórica, a hoje, vítima Dona Maria.
– Então, Bolsonaro deu-lhe uma resposta bem mal-criada:
– Jamais iria estuprar você, porque você não merece!

Ora, Bolsonaro pode ser muita coisa, mas definitivamente, não é um estuprador.
Aliás, é um ferrenho defensor da punição a estupradores menores de idade, inimputáveis graças à manutenção da menoridade penal, esta sim, defendida por Maria do Rosário e sua trupe.

Para quem não sabe, é do deputado Jair Bolsonaro o projeto de lei que propõe a castração química de estupradores. Apesar de apresentada em 2013, estamos entrando em 2015 e a proposta, que é do interesse maior da sociedade, principalmente, das mulheres vítimas de violência sexual, repousa na Comissão de Constituição e Justiça desde julho.

Quero voltar à polêmica fala de Bolsonaro repetida recentemente à Maria do Rosário.

Ele disse: – Eu jamais iria estuprar você, porque você não merece! “Jamais” significa “nunca”, “nunca” é negação.

Bolsonaro recusa o rótulo de estuprador, imposto por Rosário, e ainda diz: você não merece ser estuprada. Nem ela nem ninguém.
Mais uma vez, os opositores de Bolsonaro querem distorcer suas palavras e manchar sua reputação para desacreditá-lo como homem, militar e parlamentar.

É inaceitável.

Se querem processar Bolsonaro por incitação ao crime, aproveitem e processem Maria do Rosário por calúnia e difamação.

Ao ter acusado Bolsonaro de ser estuprador em frente às câmeras de uma TV, dona Maria atentou contra a honra do deputado , imputando-lhe um crime que ele jamais cometeu.

Se Maria não merece ser estuprada. Bolsonaro não merece ser tachado de estuprador.

E que a justiça seja feita! Sem sexismos, sem ideologismos….