Não é sensato esperar que a crise de ansiedade fique mais forte para tomar providências

Na coluna de hoje, doutora tira dúvidas de um leitor sobre ataques de pânico e dá dicas de como agir durante uma crise

  • Por Camila Magalhães
  • 03/12/2020 11h23
PixabayEm casos de crise, uma boa saída é ir para um ambiente tranquilo e praticar exercícios de respiração

“Doutora, há dois anos que eu ando estressado, por duas vezes tive uma sensação de mal estar súbito e achei que eu ia morrer ou que eu ia perder o controle. Fiquei com tontura, tremor, enjoo. Já fui em vários médicos e eles dizem que não é nada, é só emocional. O que eu faço?” Paulo, muito obrigada pela sua pergunta. Como você mesmo disse, há tempos que você anda estressado, e o que você apresentou é conhecido como ataque de pânico ou crise de ansiedade. É comum que, diante destes sintomas no corpo, a pessoa vá se consultar com diversos especialistas, como cardiologista ou clínico geral, ou até parar no pronto atendimento. Hoje em dia, muitos médicos já sabem reconhecer e tratar, mas não é raro a pessoa procurar, fazer exames, descartar outras doenças e o paciente ouvir: “Isso não é nada. É só emocional”.

O que eu tenho a dizer é: se é emocional, então é algo muito importante. Não é sensato esperar que as crises de ansiedade fiquem cada vez mais fortes e constantes para tomar uma providência. Como eu disse, o que você teve é conhecido como ataque de pânico, um episódio que começa de repente, a pessoa se sente muito mal, às vezes acha até que vai morrer. Mas calma, descartadas as causas clínicas, apesar de muito desagradável, você não vai morrer ou ficar louco. Quando a crise vem, tente ir para um ambiente tranquilo, inspire e expire lentamente por um período de 10 a 15 minutos e você verá que vai passar. Se as crises se tornam frequentes ou provocam modificações no seu comportamento que interferem na sua vida, converse com seu médico, pois ele poderá te orientar como bloquear as crises e evitar uma piora da sua qualidade de vida.

Aproveito este espaço para deixar outras dicas: tente distinguir a ansiedade normal da ansiedade patológica, ou seja, a ansiedade normal nos ajuda a cumprir prazos, não esquecer compromissos, estudar com antecedência para as provas, e quando a gente cumpre a etapa, a gente se sente aliviado. Na ansiedade patológica, a gente fica com uma tensão desproporcional a um estímulo, não paramos de pensar naquilo, nosso desempenho e nosso comportamento ficam comprometidos, com menos qualidade. Pratique exercícios físicos. Eles também podem provocar taquicardia e sudorese, mas são reações agradáveis do corpo, diferente do ataque de pânico. Por fim, não se automedique, muito menos abuse do álcool ou de outras drogas para aliviar os sintomas de ansiedade, pois você vai deixar ter apenas um problema e vai passar a ter dois.

E, se assim como o Paulo, você tiver uma pergunta ou quiser sugerir algum tema, escreva para mim no Instagram: @dra.camilamagalhaes. Até a próxima!