Moscatel é vinho ‘de sobremesa’ que cai bem com cocada e com sorvete

Injustamente chamado de ‘primo pobre’ dos pares portugueses, bebida se destaca por mesclar toque doce com acidez marcante

  • Por Esper Chacur Filho
  • 17/04/2022 10h00 - Atualizado em 17/04/2022 21h44
Esper Chacur Filho/Arquivo pessoal Pudim de baunilha Vinho Moscatel é marcado por tom doce e é indicado para acompanhar sobremesas

A uva Moscatel, presente em toda a Ibéria, encontra o solo que, ao meu ver, nos entrega os melhores vinhos moscatéis que podemos encontrar, na Península de Setúbal, em Portugal. Setúbal é uma DOC (denominação de origem controlada), de onde vêm dois tipos de vinhos, o Moscatel de Setúbal e o Moscatel Roxo, este um pouco mais raro. Como disse Amarante, com várias subvariedades, a família de uva Muscat é bem viajada, podendo encontrar uvas em diversos países ao redor do mundo. A Muscat de Alexandria foi uma das primeiras variedades da família e originou-se ao redor da cidade de Alexandria, na borda do rio Nilo, no Egito.

A Moscatel de Setúbal (ou simplesmente Moscatel) tem origem nesta casta mítica egípcia. Pelo Velho Mundo, encontramos Moscatel dando origem a vinhos nas mais diversas localidades, por exemplo em Pantelleria, na Sicília; Setúbal, em Portugal; e em Málaga, na Espanha. Estas regiões produzem vinhos doces com a Muscat of Alexandria. No Novo Mundo, encontramos vinhos fortificados de ótima qualidade na Argentina, Rutherglen, na Austrália e no Brasil e, por aqui, há espumantes da casta Moscatel que vão muito bem com doces e frutas, pelo seu dulçor e acidez.

Focando em Portugal, o vinho Moscatel é, injustamente, considerado um “primo pobre” dos chamados vinhos de sobremesa lusitanos, onde reina o Porto e, logo em seguida, o Madeira. Eu penso que isso é um pouco injusto, pois o Moscatel tem características diferentes e um espaço todo especial na mesa portuguesa. É um típico vinho “digestivo” ou “de sobremesa”, licoroso e longevo à beça. Tem toque doce, claro, mas acidez marcante. Penso que tomá-lo refrescado é o ideal, mesmo em temperaturas mais amenas. Ele acompanha bem várias sobremesas, especialmente um sorvete de baunilha ou o tiramisú e outras que levem café ou cacau puro em suas receitas. E, por quê não, nossas sobremesas com coco e amendoim? Uma boa cocada mole baiana e uma taça de Moscatel parecem perfeitas uma para a outra. Um bolo de amendoim e uma taça de espumante Moscatel, vai muito bem.

Por aqui encontramos ótimos Moscatéis; exemplos: Thasos Moscatel de Setúbal Rosé, Vinho Licoroso Bacalhôa Moscatel de Setúbal, Moscatel de Setúbal Casa Ermelinda Freitas, Quinta do Cadeado Moscatel de Setúbal, dentre outros. Vale a pena provar, sempre lembrando que, por tratar-se de um vinho fortificado, apresenta teor alcoólico mais elevado. Salut!

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.