Renata Rivetti conta o que faz uma especialista em felicidade corporativa

Mulher Positiva desta semana fundou a Reconnect Happiness at Work após transição na carreira: ‘Fiquei muitos anos atuando no marketing, mas sempre tive o ideal de mudar o mundo’

  • Por Fabi Saad
  • 11/05/2022 10h00
Divulgação Foto em preto e branco com jovem mulher branca sorridente segurando um microfone com a mão esquerda Renata Rivetti é fundadora da Reconnect Happiness at Work, empresa especializada em felicidade corporativa e liderança positiva

Renata Rivetti é especialista em felicidade corporativa e fundadora da Reconnect Happiness at Work. Ela nos conta como, após iniciar sua carreira em marketing, fez uma transição, especializando-se no tema da felicidade corporativa para viver uma vida com significado. “Sair de uma carreira segura e estável como executiva em uma grande multinacional para empreender foi um grande desafio, pois abandonei o certo pelo incerto. Racionalmente não fazia tanto sentido, mas eu tinha certeza de que estava no caminho certo e faria algo que fizesse sentido para minha vida”, explicou nossa Mulher Positiva desta semana.

1. Como começou a sua carreira? Fiz administração na FGV-EAESP e entrei como trainee na área de marketing de uma multinacional. Fiquei muitos anos atuando no marketing, mas sempre tive o ideal de mudar o mundo e ajudar pessoas. Com o tempo, fui em busca de meu propósito e vi que queria atuar com desenvolvimento de pessoas. Me especializei no tema da felicidade no trabalho e fiz uma transição, fundando a Reconnect com o objetivo de ajudar empresas a construírem ambientes mais saudáveis e com significado.

2. Como é formatado o modelo de negócios da Reconnect? Atuamos levando educação corporativa nos temas da felicidade corporativa e liderança positiva. Nosso trabalho é através da conscientização dos líderes, do RH e do próprio time, levando teoria e ferramentas para mudanças de hábitos. Além disso, atuamos também como consultores para trazer o diagnóstico da felicidade dos colaboradores e apoiar a empresa na construção de um plano de felicidade.

3. Qual foi o momento mais difícil da sua carreira? Sair de uma carreira segura e estável como executiva em uma grande multinacional para empreender foi um grande desafio, pois abandonei o certo pelo incerto. Racionalmente não fazia tanto sentido, mas eu tinha certeza de que estava no caminho certo e faria algo que fizesse sentido para minha vida.

4. Como você consegue equilibrar sua vida pessoal x vida corporativa/empreendedora? Hoje consigo encontrar qualidade de vida fazendo escolhas. Em alguns momentos é preciso pensar o que se quer. E para mim é super importante ter uma vida equilibrada e seguir o que acredito e prego. A carreira é muito importante na minha vida, mas a vida pessoal, a família, momentos de lazer e cuidados pessoais também são. Por isso, algumas vezes digo não para o que não faz sentido.

5. Qual seu maior sonho? Contribuir na construção de um mundo melhor, mais justo, ético, mais humano. Mesmo que seja pouco e somente no meu entorno, para mim isso já é o começo do que podemos fazer.

6. Qual sua maior conquista? Saber que impactei a vida de pessoas, as ajudei a encontrar equilíbrio, propósito, uma vida mais feliz e com significado.

7. Livro, filme e mulher que admira. Livro: “The How of Happiness”, da Sonja Lyubomirsky, traz muitos estudos e ciência para o tema da felicidade Filme: “Meu Pé Esquerdo” me marcou muito. Mulher que admiro: Oprah Winfrey.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.