Expectativas para 2021: copo meio cheio, copo meio vazio

Bolsa brasileira está em patamares altos, mas olhando pelo copo meio vazio, os motivos a comemorar estão praticamente relacionados apenas ao cenário exterior

  • Por Fernanda Consorte
  • 05/01/2021 12h42 - Atualizado em 05/01/2021 12h46
PixabayMercado financeiro espera recuperação econômica de 3,4% no Brasil em 2021

Primeira semana de 2021. Energias refeitas, esperanças no auge. Eu mesma já prometi que tentarei ser menos pessimista, que seria apenas portadora de boas notícias. Quero olhar o copo sempre meio cheio. Mas, para tanto, preciso de ajuda do nosso Brasil brasileiro, que não pode me mostrar somente o copo meio vazio. E esse segue não ajudando muito. Olhando pelo copo meio cheio: a bolsa brasileira segue em patamares altos. A bolsa de valores costuma ser um indicador de antecipação de cenário, desde que acerte. Neste momento, vemos uma reação ainda embalada pelo otimismo nos mercados externos, que se estende desde o final de 2020. 

Pontos a comemorar estão pelo início da vacinação contra a Covid-19 nos Estados Unidos e Reino Unido, que já se estendeu em mais de 50 países. Nesta segunda-feira, ainda o Reino Unido passou a usar a vacina desenvolvida em Oxford, a principal aposta do governo brasileiro. Desta forma, o aceite no Reino Unida, implica aceleração da campanha no Brasil. Lembrando que, pela primeira vez na história global, tivemos o desenvolvimento de uma vacina em tão pouco tempo e durante uma pandemia. Um feito histórico, memorável e para se comemorar. Além disso, o humor dos mercados locais também tem sido contaminado pelas medidas fiscais e monetárias extraordinárias adotadas na Europa e nos EUA para mitigar os efeitos negativos da pandemia no final do ano passado e já em janeiro.

Mas, olhando pelo copo meio vazio, os motivos a comemorar estão praticamente apenas relacionados ao cenário exterior. Se formos olhar o próprio cenário internacional, ele tem sua vertente meio vazia. Ora, a dicotomia entre início de vacinação e piora da doença é clara em diversos países. Por exemplo, na manhã desta terça-feira, as bolsas da Europa recuam na maioria, ajustando-se negativamente às notícias de retomada de lockdowns na região. Da mesma forma que o Reino Unido deu inicio à vacinação de outra “marca” ontem, o premiê Boris Johnson anunciou a retomada do lockdown para conter o salto de casos da Covid-19 e uma cepa mais contagiosa do novo coronavírus. Vejam a que ponto chegamos! 

Localmente, a situação é ainda pior. Não temos aprovação de nenhuma vacina (há mais de 10 mil doses da CoronaVac que nem sequer pediu registro na Anvisa!!!), não temos data de vacinação efetiva – somente comentários lançados dentro de um jogo político, ao passo que a pandemia avança a passos largos. Adicionalmente, temos todo o quiproquó fiscal, que terá como tônica neste primeiro trimestre as eleições para presidente da Câmara dos Deputados e Senado. Mas acredito piamente que esse tema será longamente debatidos em colunas futuras. Nesta segunda, as projeções da pesquisa Focus mostraram que o mercado ainda espera uma bela recuperação econômica para o Brasil neste ano de 3,4%. Olhando o copo, seja da ótica cheia ou vazia, eu acho difícil chegarmos lá. Olha lá eu sendo pessimista de novo…