Surf feminino vive o seu melhor momento

Desde 2019, a World Surf League igualou o pagamento das premiações entre atletas masculinos e femininos; além disso, a entrada da modalidade a partir da próxima Olimpíada contribui para o avanço

  • Por Jojó de Olivença
  • 20/10/2020 08h52
PixabayDesde 2019, a World Surf League igualou o pagamento das premiações entre atletas masculinos e femininos

O assunto do meu bate-papo com vocês hoje é o surf feminino brasileiro que, na minha opinião, vive atualmente o seu melhor momento, uma vez que desde 2019 a World Surf League igualou o pagamento das premiações com valor equivalente ao que recebem os atletas masculinos. Outro fator importante para o avanço das mulheres no surf foi a entrada da modalidade a partir da próxima Olimpíada, uma vez que os países foram escolhidos através do ISA World Surfing Games, competição disputada por equipes no masculino e feminino, onde ambos tiveram o mesmo peso com as pontuações unificadas na classificação geral.

No torneio olímpico no Japão, isso também vai acontecer, proporcionando uma igualdade de condições e peso para o nosso esporte. Atualmente, as mulheres já são vistas e tratadas de forma igualitária, tanto que nos próximos anos, devemos ver um aumento considerável no investimento no surf feminino. Neste ano, na piscina de ondas do Kelly Slater, ocorreu um evento de duplas no belíssimo Surf Ranch, onde tanto o homem quanto a mulher tinham pontuações iguais e o resultado final era dado pela soma das melhores atuações da dupla. Todos estes fatores atraem os olhares da mídia, do empresariado e dos investidores para o surf feminino. 

Portanto, estamos em um momento extremamente promissor para as mulheres no esporte, diferentemente do passado, quando eram tratadas em segundo plano, com baixas premiações nos torneios e situações adversas e ruins nas competições. Hoje, vivemos em um momento global de empoderamento da mulher, que não leva desaforo para casa e luta pelos seus direitos, como tem de ser! É essencial que consigamos, cada vez mais, incluir mulheres em todos as esferas do surf: julgando, promovendo eventos, treinando, ensinando e gerindo! As mulheres precisam ter oportunidades reais na gestão e, para isso, elas têm de ter autoridade para ser atuantes e brigar pela categoria feminina. O surf feminino tem tudo para, se bem cuidado e gerido, vislumbrar um grande futuro nos próximos anos!