Agricultores participam de manifestações em apoio à liberdade de expressão e à democracia

Manifestantes deixaram o campo e foram às ruas, de maneira ordeira, para simbolizar o apoio de uma importante ala do agronegócio ao presidente Jair Bolsonaro

  • Por Kellen Severo
  • 08/09/2021 10h00 - Atualizado em 08/09/2021 10h03
Leo Bahia/Fotoarena/Estadão Conteúdo - 07/09/2021Jair Bolsonaro discursa para seus apoiadores na Esplanada dos Ministérios, em Brasília

O 7 de setembro mobilizou agricultores de todo o Brasil. No interior e nas capitais, eles foram às ruas se manifestar a favor da democracia e da liberdade de expressão. Em Brasília, os grupos se juntaram à multidão que vestia verde e amarelo e levantava bandeiras do Brasil. As mobilizações ocorreram de forma pacífica. Fernando Cadore, presidente da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso (Aprosoja-MT), disse que o agro defende os direitos constitucionais, liberdade de expressão e direito à propriedade. “O que a gente viu foi um exemplo de democracia. As pessoas vieram voluntariamente, com seus recursos, no dia 7 de setembro, dia de lutar pela prosperidade do povo brasileiro e não interferência entre os poderes. Os poderes precisam trabalhar de maneira harmônica, e foi isso que os cidadãos de bem e as famílias vieram fazer aqui em Brasília”, disse.

Muitos dos produtores que deixaram as fazendas estão na fase de preparação para a safra de verão. Esse é momento crucial para o planejamento da semeadura. Mesmo assim, partiram do campo em direção à capital federal. É o caso do agricultor Marcos Bravin, de Primavera do Leste, em Mato Grosso, que participou dos atos do 7 de setembro. “Do jeito que está indo a situação, a nossa liberdade está praticamente acabando. A melhor coisa do mundo é ter liberdade. Não tem dinheiro que pague nossa liberdade”, declarou Bravin.

No interior do Brasil, tratores foram colocados nas ruas e mobilizações tiveram registros em diferentes Estados. A presença de agricultores simboliza o apoio de uma importante ala do agronegócio ao presidente Jair Bolsonaro. Outros grupos de lideranças do setor me disseram que vão esperar o pós- 7 de setembro para avaliar eventuais efeitos práticos das manifestações nas pautas do setor. O que fica claro neste momento é que as manifestações ordeiras e com pedidos de respeito à Constituição, à democracia e à liberdade de expressão prevaleceram. São pautas legítimas, que têm o apoio de milhares de brasileiros.