Fornecimento de insumos para o agronegócio será tema prioritário na Rússia

Em meio à escalada das tensões entre Rússia e Ucrânia, Bolsonaro visita presidente Putin

  • Por Kellen Severo
  • 14/02/2022 10h36 - Atualizado em 14/02/2022 11h06
Alan Santos / Presidência da República Jair Bolsonaro e Vladimir Putin Vladimir Putin e Jair Bolsonaro durante reunião em 2019; Rússia ocupa o sexto lugar no ranking de países que mais exportam bens para o Brasil

O agronegócio brasileiro será um dos temas prioritários na pauta do encontro entre Brasil e Rússia nesta semana. Isso porque o setor produtivo brasileiro é importador de insumos essenciais para o manejo de lavouras. No caso de fertilizantes, quase 100% do nitrato de amônio usado aqui no país vem da Rússia, e recentemente o país baniu exportações temporariamente para garantir o suprimento doméstico. Um tema estratégico para o Brasil, já que o produto é importante para as lavouras de café e cana-de-açúcar. Além desse insumo, vem de lá 21% dos adubos nitrogenados essenciais para várias culturas. É estratégico manter boas relações com o país de Vladimir Putin e isso vai além dos interesses apenas do agronegócio, afinal, a Rússia ocupa o sexto lugar no ranking das nações que mais exportam bens para o Brasil.

O encontro marcado há meses está previsto para acontecer agora, dias depois do governo dos Estados Unidos dizer que a Rússia estaria pronta para invadir a Ucrânia. Na comitiva de profissionais do agronegócio, o sentimento é de que o momento ruidoso na geopolítica mundial não impedirá Brasil e Moscou de estreitarem relações comerciais. Aqui na Jovem Pan, o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal, Ricardo Santin, disse não acreditar que a Rússia vai invadir a Ucrânia enquanto Putin estiver recebendo um chefe de Estado em seu país. Faz sentido.

A comunidade internacional acompanha atentamente o noticiário sobre a região do leste europeu e os desdobramentos no mercado e na diplomacia global. O encontro entre Bolsonaro e Putin acontecerá em um contexto sensível de polarização, por isso é importante zelo e cuidado em toda comunicação feita neste momento para evitar qualquer armadilha que gere prejuízos à imagem do Brasil e nos afaste de avançar na direção dos interesses que levaram a comitiva até lá. Vale lembrar: O Brasil, entre outros temas, vai buscar maior abertura da Rússia à nossa carne suína em um momento em que eles enfrentam surto de peste suína africana, garantia de fornecimento de insumos essenciais ao agronegócio e melhoria nas relações comerciais a fim de gerar frutos para ambas as nações.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.