Confira dicas práticas para você aprender sozinho a falar em público

Como professor de oratório, reuni as dúvidas mais frequentes levantadas pelos alunos e apresento seis dicas para uma boa comunicação

  • Por Reinaldo Polito
  • 17/03/2022 09h00
Reprodução/Freepik Pessoa fala em reunião privada Pessoa fala e gesticula para plateia

Ao longo dos últimos 47 anos como professor de oratória, reuni as questões mais frequentes levantadas pelos alunos. A partir delas, montei esse curso rápido para que você aprenda os segredos da boa comunicação.

Primeiro – Como posso controlar o nervosismo?

A solução é diminuir a quantidade de adrenalina despejada no organismo como consequência do medo. Para isso, siga essas três sugestões:

– Conheça o assunto com a maior profundidade possível e saiba ordená-lo de forma lógica e concatenada, com começo, meio e fim;

– Pratique bastante o uso da palavra em público;

– Aprenda a identificar suas qualidades de comunicação. Saiba se tem boa voz, se tem presença de espírito, se sabe contar histórias interessantes.

Segundo – Como devo gesticular?

Gesticular quando falamos em público não é muito diferente de como agimos nos contatos informais com amigos, pessoas da família e colegas de trabalho. Se você fizer gestos diante dos ouvintes da mesma maneira como já faz nas conversas do cotidiano, com certeza irá acertar. Alguns conselhos que você poderá pôr em prática imediatamente para melhorar a gesticulação:

– Evite a falta de gestos, mas também, e principalmente, o excesso de gesticulação.

– Faça gestos moderados, normalmente acima da linha da cintura, e não tenha pressa de voltar com as mãos à posição de apoio. Evite esfregar as mãos ou ficar com elas constantemente nos bolsos. Também não deixe os braços cruzados, ou presos nas costas o tempo todo.

Terceiro – Devo ficar parado diante do público, ou posso me movimentar? 

Se você ficar imóvel diante dos ouvintes, dificilmente conseguirá interagir com eles. Se, todavia, você se movimentar demais, ou sem objetividade, talvez demonstre insegurança. Fique posicionado naturalmente, distribuindo o peso do corpo sobre as duas pernas, e procure se movimentar quando houver alguma finalidade, como aproximar-se de uma parte da plateia que começa a ficar desatenta, ou para dar ênfase a informações relevantes.

Quarto – Como posso usar bem a voz?

Aprimore a dicção. Quanto mais clara for a pronúncia das palavras mais facilmente as pessoas irão compreender suas informações. Para melhorar a dicção, faça exercícios diários de leitura em voz alta com duração de dois a três minutos. Coloque um obstáculo na boca, como o dedo dobrado, preso entre os dentes. Use um volume de voz de acordo com o ambiente. Não baixo demais em grandes ambientes, nem muito alto em uma mesa de reunião, diante de poucas pessoas. Para treinar o volume, coloque um gravador no fundo da sala e pronuncie algumas frases para verificar se o ouvinte que estaria na mesma distância ouviria sua voz. Faça exercício de leitura de poesia em voz alta para desenvolver uma boa velocidade e um ritmo mais agradável. Isto é, alterne o volume da voz e a velocidade da fala.

Quinto – Como melhorar o vocabulário?

Use em qualquer situação as palavras com as quais já esteja acostumado no dia a dia. Para ampliar o vocabulário, leia textos com uma caneta na mão. À medida que surgirem palavras diferentes ou outras de que não tenha muita certeza do significado, anote e depois consulte o dicionário. Em seguida procure descobrir alguns termos analógicos, ou seja, quais palavras poderiam ser usadas com o mesmo sentido. Utilize nas próximas conversas ou redações os vocábulos que aprendeu. Assim será mais fácil fixá-los. Lance mão do vocabulário técnico apenas diante daqueles que atuam na mesma atividade que a sua. Tome cuidado com o excesso de palavrões e de gírias. Só use esse tipo de vocabulário em ambientes adequados e desde que bem contextualizado.

Sexto – Como organizar o pensamento?

A sequência é simples. Cumprimente os ouvintes de acordo com a formalidade do evento. Agradeça o convite. Conte sobre o que irá falar e informe o benefício que o tema terá para a plateia. Esclareça qual é o problema a ser solucionado. Apresente a solução. Dê um exemplo para ilustrar. Afaste as objeções.  Encerre pedindo a reflexão ou a ação. Como exercício, faça apresentações curtas, de um minuto e meio a dois minutos. Fale de uma viagem interessante que realizou, de como conquistou seu emprego, de um desafio que tenha enfrentado e superado. Escolha temas simples para facilitar o treinamento. São orientações práticas e que dão ótimos resultados. Siga pelo Instagram @polito

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.