Político precavido nunca coloca a mão em um cacho de marimbondos

Mesmo as pessoas mais experientes buscam ajuda para se comunicar melhor e estar um passo à frente das oportunidades e das necessidades

  • Por Reinaldo Polito
  • 14/04/2022 10h00
Patrick Fore/Unsplash As habilidades de comunicação possibilitam melhor desempenho nas atividades profissionais, nos contatos sociais e nos relacionamentos familiares As habilidades de comunicação possibilitam melhor desempenho nas atividades profissionais, nos contatos sociais e nos relacionamentos familiares

Quando vemos um político circulando com desenvoltura, tomando a palavra de improviso com desembaraço e convencendo até desafetos para atingir seus objetivos, alguns pensam: esse cara nasceu com o dom. Eu jamais conseguiria ter esse jogo de cintura. O que a maioria não sabe, entretanto, é que essa turma não vacila. Jamais um político prevenido põe a mão em cacho de marimbondo. Assim que vislumbram os futuros desafios, já se preparam para enfrentá-los. Eu me lembro de quando Eduardo Suplicy resolveu enfrentar Lula nas prévias presidenciais do PT para a escolha do candidato à Presidência em 2002. Aquela era a maior empreitada da sua carreira política. Embora fosse um senador conhecido e admirado em todo o país, veio, humildemente, até à minha escola para saber como deveria se comportar naquele embate. Ele mesmo conta em seu livro lançado recentemente, “Um Jeito de Fazer Política” que, como não teria muito tempo para se apresentar, deveria dizer tudo o que precisava em dez minutos. E foi assim que, bem preparado, enfrentou o grande líder petista no 12º Encontro Nacional do PT, em Recife.

E assim todos os mais importantes líderes políticos se municiam para os grandes embates da carreira. Quase todos os presidentes dos maiores partidos políticos do país, por exemplo, me procuraram em determinado momento para aprimorar a comunicação. Entre eles, Roberto Jefferson, tido como um dos mais competentes oradores da atual política brasileira. Quando resolveu fazer o curso comigo, eu perguntei: Roberto, como é que uma pessoa que domina o microfone em qualquer circunstância, presidente de partido, com seis mandatos de deputado federal, advogado criminalista bem-sucedido e tendo comandado um dos programas de televisão de maior audiência na história do país, vem aqui para fazer curso de oratória? Ele me respondeu: “Polito, você ensina a falar em público há mais de 40 anos. Muitos deputados que conheço e a minha filha, Cristiane Brasil, inclusive, vieram aqui e saíram falando maravilhas. Pensei, esse professor vai me ajudar. Com duas ou três dicas ele vai transformar a minha comunicação”. Ficou tão feliz que já encaminhou muitos alunos para o meu curso.

E assim também aconteceu com presidentes de outros partidos, como Valdemar Costa Neto, presidente do PL. Aproveitou tanto o treinamento que resolveu estender as aulas para outros membros do PL, me contratando para fazer palestra em uma convenção do partido. Só para citar mais alguns que buscaram aperfeiçoamento antes de entrar nas grandes batalhas eleitorais: Baleia Rossi, presidente nacional do MDB. Assim que vislumbrou que teria grande projeção em todo o país, saiu lá de Ribeirão Preto para afiar a sua oratória. Renata Abreu, presidente do Podemos, foi outra que mesmo tendo comunicação de elevada qualidade e sendo debatedora aguerrida, sabia que os enfrentamentos seriam cada vez mais ferozes, e que precisaria estar pronta para esse momento. Eu me lembro de seus comentários: interessante que tudo o que você está me dizendo eu já sabia, mas se não tem um especialista para chamar a atenção, esses detalhes acabam passando despercebidos.

São apenas alguns exemplos de pessoas muito conhecidas e que usam a sua comunicação de maneira brilhante no desempenho de suas funções, mas que procuraram estar sempre a um passo à frente das oportunidades e das necessidades. Da mesma forma, presidentes, vice-presidentes e diretores de empresas multinacionais, profissionais liberais com destaque internacional, artistas e apresentadores de televisão são vistos com admiração onde se apresentam, mas praticamente todos os que conseguiram grande sucesso se submeteram a algumas horas de treinamento para se comportar com segurança e eficiência ao longo da carreira. As habilidades de comunicação possibilitam melhor desempenho nas atividades profissionais, nos contatos sociais e nos relacionamentos familiares. O domínio das técnicas oratórias é, portanto, competência essencial para o desempenho de todas as funções. Siga pelo Instagram: @polito

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.