Como não se arrepender na Black Friday

Setenta por cento dos consumidores devem aproveitar as promoções; é recomendável checar a procedência dos vendedores, conferir histórico de preços e evitar a compra por impulso

  • Por Samy Dana
  • 26/11/2020 15h03 - Atualizado em 26/11/2020 16h14
Renato S. Cerqueira/Estadão Conteúdo - 19/11/2020Para aproveitar a Black Friday, é necessário conferir histórico de preços para saber se oferta não é conto do vigário

Hoje é feriado do dia de Ação de Graças nos Estados Unidos. Dia de comer peru, na tradição deles, mas dia também de se preparar para aquela que é uma das datas mais movimentadas do ano. A Black Friday já está no ar em muitos sites, que tentam pescar antes o consumidor, e deve ter alta participação. Setenta por cento dos consumidores pretendem comprar alguma coisa este ano, segundo uma pesquisa do site Reclame Aqui. Em tempos de pandemia, será uma Black Friday essencialmente online. Se 70% vão comprar alguma coisa, só 3% deles não pretendem comprar pela internet. No ano passado, como comparação, foram 57%. Mas e os gastos? Variam conforme a pesquisa. Algumas apontam algo na faixa de R$ 500, mas há também entrevistas que mostram disposição de gastar de R$ 1.000 ou até acima disso.

Em um ano atípico, muita gente, presa em casa, fez economia forçada. Pode ser a chance de encontrar barato alguma coisa que se precisa. Mas, para evitar arrependimento, é preciso ter em mente alguns cuidados. Precauções que já são conhecidas, mas que não custa repetir. Primeiro, olho nas fraudes. Esta semana, o Procon do Rio de Janeiro divulgou uma lista de 200 sites e lojas virtuais que os consumidores devem evitar se não quiserem ser vítimas de golpe. Começar as compras dando uma olhada no vendedor. Se não for conhecido, para ver se é confiável, já é um começo. Segunda dica, olho no preço. É oferta? Como saber? Alguns serviços, como o Zoom e Jácotei, permitem dar uma olhada no histórico de preços do produto ou do serviço para saber se está valendo mesmo a pena. Terceira, evite comprar por impulso. Em uma promoção como a Black Friday, que em tese dura 24 horas – em muitos sites deve se estender pelo fim de semana –, a tentação é grande para sair comprando. “Está barato, vai acabar, quero garantir o meu” é a atitude de muita gente. Mas quando chegar a conta para pagar, talvez a compra não pareça tão boa assim.

Para não se arrepender

  1. Olho nas fraudes
  2. Olho no preço
  3. Evite comprar por impulso
  4. Cuidado com o parcelamento 
  5. Se questione

Também ajuda tomar cuidado com o parcelamento. Às vezes, a pessoa se perde na facilidade da prestação e, quando vê, está com um bem cujo prazer de usar termina antes da quitação. Uma coisa que psicólogos comportamentais recomendam é pensar: eu prefiro isso ou guardar o dinheiro para outra coisa? Pode ser uma viagem, um curso de aperfeiçoamento, até uma entrada em um imóvel no futuro. Em resumo, é possível fugir um pouco da tentação, que costuma ser mesmo grande na Black Friday. No fim, o bolso agradece.