Aumento de preços de alimentos não é questão de maldade

Razões do aumento são conhecidas, como o aumento da demanda com a pandemia, das exportações e a alta do dólar

  • Por Samy Dana*
  • 10/09/2020 07h00 - Atualizado em 10/09/2020 07h03
Tânia Rêgo/Agência BrasilPreços de um grupo de produtos da cesta básica, principalmente arroz, feijão e óleo de soja, subiram em agosto

Quase quatro décadas atrás, aumento de preço era assunto de polícia. Durante o Plano Cruzado, em 1986, gerentes de supermercado corriam o risco de prisão caso fossem denunciados pelos consumidores por desrespeitar o congelamento de preços. Eram os tempos da tabela da antiga Sunab (Superintendência Nacional de Abastecimento). A tabela, publicada nos jornais, trazia o valor máximo que um produto podia custar. As pessoas iam ao supermercado e verificavam se os preços estavam de acordo. Teve aumento, a polícia era chamada e geralmente aparecia na TV o supermercado sendo fechado ao som do hino nacional. Houve até mesmo o caso da Polícia Federal caçar boi no pasto para impedir a falta de carne – quando os produtores se recusaram a vender o produto por um preço que consideravam baixo. Pareciam tempos remotos, que ficaram no passado. A economia se modernizou. A Sunab não existe mais desde 1997, extinta pelo governo. Mas esta quarta-feira deixou um cheiro de anos 80 no ar com o anúncio de que uma secretaria, ligada ao Ministério da Justiça, notificou supermercados, associações de produtores e distribuidores a se explicarem sobre a alta recente dos alimentos.

Como todo mundo deve estar acompanhando, os preços de um grupo de produtos da cesta básica, principalmente arroz, feijão e óleo de soja, subiram em agosto.O arroz já subiu 20% no ano. O tomate, 13%. O óleo de soja, 9,5%. São produtos que pesam na cesta básica, mas as razões também são conhecidas: aumento da demanda com a pandemia, mais exportações para a China e a alta do dólar. Não impediu o governo de, antes de decidir zerar o imposto de importação de arroz, à noite, para conter os preços, dar cinco dias para que o setor de alimentos explique o que todos já sabemos. Os supermercados vão ter que listar quais produtos da cesta básica subiram mais no último mês e também quais foram os três itens com maior reajuste.

Já as cooperativas vão ter que comprovar o aumento nos custos de produção. Insumos, fertilizantes, combustíveis, etc. Tudo, claro, com a apresentação de notas fiscais. Não convencendo o Ministério da Justiça, a multa é de R$ 10 milhões. É algo tão sem sentido que fica até difícil comentar. Infelizmente, não aprendemos com o passado. Ninguém está insensível ao impacto de uma alta dos alimentos da cesta básica sobre a população mais pobre. Mas ameaçar os supermercados não vai resolver o problema. À noite, houve o passo mais correto, com a isenção para o arroz importado. Medida que também não resolve a alta de preços no curto prazo, mas impede que o problema dure muito. Enquanto isso o lado bom é que o Ministério da Justiça pediu ao Ministério da Economia sugestões para baixar o preço do arroz. Terá a chance de aprender como os preços se formam. E que o arroz não aumentou por maldade do vendedor.

*Samy Dana é economista e comentarista da Jovem Pan.