Novo tratamento contra o câncer gera esperança, mas é caro e só tem nos EUA

  • Por Jovem Pan
  • 02/09/2017 13h45 - Atualizado em 02/09/2017 13h46
"O princípio de artificialmente colocar receptores nas células do organismo e atacar especificamente o tumor é pertinente a outros tumores"

Um novo tratamento nos EUA, que reprograma geneticamente células da pessoa para combater o câncer, gera esperança.

O tratamento inovador foi estudado com crianças com leucemia linfoblástica, um tipo raro. O estudo se deu com 63 pacientes que já haviam falhado em outros tratamentos.

O oncologista Fernando Maluf explica que o experimento “induziu resposta completa e duradoura em 80% dos pacientes, números inexistentes no passado”.

O kymriah (tisagenlecleucel) já foi aprovado pela FDA, a agência americana que regula medicamentos. Maluf avalia o mesmo tipo de tratamento poderá ser usado “não só nas leucemias infantis, mas em outras leucemias, linfomas, e também em tumores sólidos, como câncer de colo de útero, intestino, mama ou próstata”.

“O princípio de artificialmente colocar receptores nas células do organismo e atacar especificamente o tumor é pertinente a outros tumores”, explica.

Ele ressalva, no entanto, que esse “não é um trabalho de um mês a dois meses”. “Há um entusiasmo grande, mas contido em termos de rapidez”, pondera. Nada será mudado na rotina de quem trata o câncer para o dia de amanhã.

“Imunoterapias estão sendo estudadas para ser a forma mais importante de tratamento do câncer”, prevê.

No Brasil

Fernando Maluf explica que, para o tratamento aprovado nos EUA chegar ao Brasil, há todo um procedimento burocrático que pode levar de dois a quatro anos.

Por enquanto, usar o kymriah só será possível fora do país.

Pacientes que enfrentam o câncer podem também tentar se inscrever em protocolos de pesquisa. Ou, se for “abastadíssimo”, fazer o tratamento no exterior.