CPI da Petrobras é uma farsa; entenda

  • Por Jovem Pan
  • 21/05/2014 11h19

Reinaldo, então a CPI da Petrobras no Senado é mesmo uma farsa?

Absoluta, e provou isso nesta segunda. José Sérgio Gabrielli, então presidente da Petrobras quando foi comprada a refinaria de Pasadena, prestou depoimento à Comissão. A bancada de levantadores de bola é composta por 10 governistas, o único membro da oposição que compõe o grupo, Cyro Miranda, do PSDB de Goiás, não compareceu.

Duas outras vagas reservadas aos próprios tucanos e ao DEM não foram preenchidas. Esses partidos insistem na CPI mista, menos controlada pelo governo. E fazem muito bem.

Gabrielli foi lá e falou o que bem quis sem ser contraditado. Em entrevista ao Estado, ele havia afirmado que Dilma não poderia se furtar a assumir a sua responsabilidade pela compra de Pasadena. Agora mudou de ideia, disse que a presidente não mesmo nada com isso. Segundo afirmou, não compete ao conselho esse tipo de análise. Nem há possibilidade de entrar nos detalhes operacionais dos contratos. Ah bom!

O ex-presidente da estatal e atual secretário do governo, Jaques Vagner, da Bahia, não é e nunca foi um técnico da área de petróleo. Trata-se de um militante político petista de um prosélito agressivo e de um notório criador de casos. Aproveitou a CPI, acreditem, para atacar o governo FHC.

Para ele a questão relevante à época era esta: “Era, vale a pena expandir o refino exterior ou vamos continuar apenas no Bolívia e na Argentina, como encontramos no governo anterior? Era isso que a gente ia continuar, sendo os Estados Unidos o maior mercado em crescimento? Essa era a discussão na época. É evidente que hoje a discussão é outra”.

Perfeito. As circunstâncias, convenham, sempre explicam qualquer coisa. A diferença  do que afirmou no próprio Congresso a atual presidente da Petrobras, Graça Foster, segundo quem a compra de Pasadena foi obviamente um mau negócio, Gabrielli continua a sustentar que foi uma maravilha. Alguém vai se lembrar de opor uma declaração à outra? Não, isso seria para uma CPI que se levasse a sério.

A propósito, ouvintes, sempre que você fizer uma caca gigantesca por erro de cálculo, má fé, pouco importa, não hesite. Diga que as circunstâncias no momento em que você fez a besteira indicavam ser aquele o caminho certo. Se elas mudaram, que culpa tem você?

Vejam bem. Tanto Napoleão quanto Hitler avaliaram as circunstâncias e acharam que o certo era lançar rumo à Rússia. Mas aí veio o inverno, as circunstâncias mudaram e o resto da história vocês conhecem. Malditas circunstâncias, não é mesmo?