Defesa de Temer fica aliviada com julgamento adiado

  • Por Jovem Pan
  • 05/04/2017 10h44
EFE Michel Temer EFE

Quem sentiu alívio com o adiamento do julgamento da chapa e as novas oitivas foi a defesa de Temer. A defesa de Dilma nem tanto.

Os advogados da ex-presidente desejavam o testemunho de Guido Mantega, mas não queriam que fossem ouvidos João Santana e Mônica Moura, que tiveram as delações premiadas homologadas pelo STF. O casal de publicitários deve corroborar o que disseram os delatores da Odebrecht, mostrando que o dinheiro das campanhas de 2010 e 2014 eram caixa dois, que houve pagamentos no exterior, também para que dinheiro fosse repassado a outros fornecedores.

A defesa de Dilma disse que não era o caso de eles serem ouvidos, mas perdeu.

Já a defesa de Temer comemorou. Além do prazo extra de cinco dias para a defesa, eles ganharam mais o tempo que vão demorar as novas oitivas. Isso joga a reabertura do julgamento para as “calendas gregas”, provavelmente para o segundo semestre.

Isso permite que seja trocada a ministra Luciana Lóssio, que teve atuação bem firme em defesa de Dilma, sai em maio e deve entrar Tarcísio Vieira. Assim, o Planalto vê placar mais favorável à sua tese da nova jurisprudência que separa a chapa.

Isso se houver algum julgamento até 2018.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.