Dilma deve aumentar vantagem no primeiro turno sobre Marina em pesquisa

  • Por Jovem Pan
  • 10/09/2014 11h44

Reinaldo, o Ibope deve divulgar hoje a pesquisa presidencial. Qual é a expectativa ?

O Ibope divulga nesta quarta-feira os dados da pesquisa sobre a eleição presidencial. Nesta terça, o instituto tornou públicos os números de São Paulo e Rio. Se traduzirem o que se passa no resto do país, é provável que a petista Dilma Rousseff tenha aumentado a sua vantagem no primeiro turno sobre Marina Silva, do PSB ― a menos que tenha havido um movimento inverso em outros estados. Só para lembrar: há uma semana, segundo o Ibope, a petista tinha 37% dos votos no país, contra 33% da peessebista.

Em sete dias, Dilma oscilou dois pontos para cima em São Paulo: tinha 23% e agora está com 25%. Marina oscilou um para baixo, passando de 39% para 38%. A diferença é grande, mas, estando certa a pesquisa, tendente a diminuir. No Rio, teria havido uma movimentação importante em favor de Dilma: a peessebista teria caído de 38% para 34%, e a petista, subido cinco pontos: de 32% para 37% ― uma mudança de 9 pontos.

São Paulo, com 31.998.432 eleitores, segundo dados do TSE, tem o maior eleitorado no país. O Rio vem em terceiro lugar, com 12.141.145, sendo ultrapassado por Minas, que fica em segundo, com 15.248.681. Em quarto lugar, está a Bahia, com 10.185.417, seguida por Rio Grande do Sul, com 8.392.033.

A menos que Marina ou Aécio ― com trajetória descendente nesses dois estados, diz o Ibope ― tenham recuperado votos nos demais, retirando-os de Dilma, a petista deve ampliar a liderança que mantinha sobre Marina no primeiro turno na pesquisa anterior: 4 pontos (34% a 37%). E pode haver, portanto, reflexo no segundo turno. A peessebista vencia a petista por sete pontos de vantagem: 46% a 39%.

A pesquisa Ibope diz ter feito seu levantamento entre sexta-feira da semana passada e esta terça. O megaescândalo da Petrobras ainda estava sendo quebrado em miúdos. Esta semana será decisiva para avaliar se ele terá ou não algum impacto eleitoral. Nesse levantamento, ele ainda não pode ser levado em consideração.