Dilma fala cada vez menos coisas com sentido

  • Por Jovem Pan
  • 10/04/2017 12h06
BRA13. BRASILIA (BRASIL), 30/05/2014.- La presidenta suspendida de Brasil, Dilma Rousseff, participa hoy, domingo 30 de mayo de 2016, en la presentación de un libro que aborda el proceso de destitución que enfrenta la mandataria, titulado "La Resistencia al Golpe de 2016", en la universidad de Brasilia (Brasil). Rousseff acusó hoy al Gobierno del mandatario interino, Michel Temer, de tratar con superioridad a los países suramericanos mientras que le habla "fino" a Estados Unidos. EFE/Cadu Gomes EFE/Cadu Gomes Presidente afastada Dilma Rousseff

Ex-presidente Dilma Rousseff diz que tem medo de que manobra tire Lula das eleições de 2018, e Sérgio Moro ataca o caixa dois eleitoral.

Os dois foram os principais palestrantes do evento Brazil Conference at  Harvard & MIT, realizado neste fim de semana nos Estados Unidos.

Dilma afirmou que se preocupa com a possível prisão do ex-presidente Lula já que, segundo ela, há uma possibilidade concreta de vitória do petista.

No discurso, a presidente cassada se disse vítima de um golpe e aproveitou para mandar uma indireta a Moro:

“Não é admissível juiz falar fora do processo. Em qualquer lugar do mundo o juiz não pode ser amigo do julgado. E em qualquer lugar do mundo não é possível qualquer forma de violação do direito de defesa”.

Vera Magalhães comenta: Dilma falou que juiz não pode ser amigo de investigado em referência a uma foto em que Sergio Moro e o senador Aécio Neves aparecem conversando durante evento. Não consta que eles sejam amigos. E Aécio Neves não é julgado por Moro, mas em Brasília. É mais uma aleivosia que Dilma fala sem se preocupar com a verdade.

Dilma também fala em cerceamento de defesa. Não há cerceamento de defesa. No caso dela a defesa foi exercida exaustivamente durante o impeachment.

A ex-presidente Dilma está se especializando em falar, falar e falar cada vez menos coisas que façam sentido.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.