Dilma quer levar indústria farmacêutica para Cuba

  • Por Jovem Pan
  • 17/06/2014 11h14

Reinaldo, então o Partido Comunista Cubano confirma que Dilma quer levar a nossa indústria farmacêutica para Cuba?

Sim, pode parecer maluquice, mas é verdade. Vocês se lembram que denunciei aqui, no dia 5 deste mês, que o governo Dilma está pressionando a indústria farmacêutica brasileira a abrir fábricas em Cuba para a produção de biossimilares e genéricos, que seriam exportados para a América Latina e Caribe, inclusive o Brasil. Sim, brasileiras e brasileiros, a petezada que comanda o país quer gerar empregos em Cuba, o que certamente desempregará brasileiros; quer gerar divisas para Cuba, o que certamente será ruim para a balança comercial brasileira; quer dar velocidade, em suma, ao PAC, o Programa de Aceleração de Cuba.

À reportagem de Veja.com, o governo federal negou essa intenção. Não é, no entanto, o que diz o Partido Comunista de Cuba, que manda na ilha. Veio a público um artigo na versão em português do jornal Granma, que é o órgão oficial do PC, em que se confirmam os entendimentos com o governo brasileiro.

Lá está escrito o seguinte, prestem atenção: “Uma nova etapa na cooperação iniciou-se, após a visita a Havana, em janeiro passado, da presidenta brasileira Dilma Rousseff. A criação de empresas mistas em Cuba utilizando tecnologia cubana e capital brasileiro, que favorecerão a produção de fármacos biológicos novos, desenvolvidos nos dois países, para satisfazer as necessidades dos sistemas de saúde de ambos os países e para permitir a exportação conjunta a outros mercados”. O texto é do dia 27 de Fevereiro e comprova a denúncia que fiz aqui.

Em “comunistês”, tudo é uma maravilha, e os dois países sairão ganhando. Em “verdadês”, o governo petista pressiona a indústria farmacêutica brasileira a transferir parte de suas plantas industriais para Cuba. Chegou a hora de a oposição convocar o sr. Arthur Chioro, ministro da Saúde, e os representantes da indústria farmacêutica para falar no Congresso.

A pressão de Dilma vem confundindo o empresariado brasileiro porque contraria o próprio plano que o governo tem para o setor farmacêutico. Um dos entrevistados por Veja diz: “Não faz o menor sentido, pois o Brasil já tem uma estratégia bem desenhada para o setor, que é de estimular a indústria nacional por meio das próprias compras governamentais. O plano para Cuba vai contra a própria política industrial”.

A fala é de Dante Alário Junior, sócio e responsável pela área de pesquisa e desenvolvimento e inovação da Biolab. Sua própria empresa já recebeu vários convites para participar de eventos promovidos pelo governo brasileiro em Cuba e investir na ilha ― o último deles ocorreu no início de junho.

Temos um governo que pressiona setores de ponta de nossa economia a gerar empregos em país estrangeiro, desempregando a mão de obra nativa. Isso milita contra os interesses do Brasil e dos brasileiros.