Dilma sabia de compra de refinaria pela Petrobrás

  • Por Jovem Pan
  • 19/03/2014 16h15

Reinaldo Azevedo comenta comenta na participação as novas revelações que surgiram em relação ao escândalo da Petrobrás.

Relembrando o histórico de acontecimentos, a Astra Oil, empresa da Bélgica comprou um campo de petróleo por US$ 45 milhões. Menos de um ano depois, metade dele foi vendido por US$ 360 milhões, mais de 1500% de valorização.

O “brasileiro bonzinho” colocou na cláusula do contradto, ainda, que, em uma eventual briga entre a empresa estrangeira, a outra metade teria que ser vendida. E foi exatamente o que aconteceu. Para adquirir a parte, a Petrobrás teve que comprar US$ 836 milhões. Reajustado após ações judiciais, o valor final que a maior empresa de capital misto perdeu foi de R$ 1 bilhão e 205 milhões.

O desenrolar foi entre 2006 a 2009 e, em parte desse período, Dilma Rousseff era ministra-chefe da Casa Civil e presidente do conselho administrativo da Petrobrás. Até, então, a atual presidente da República dizia que não sabia de nada. Agora, descobriu-se em reportagem de O Estado de S. Paulo que Dilma assinou os documentos. Ela alega que não tinha conhecimento da cláusula que obrigava a compra.

Mas a cláusula não é o único problema da história, diz Reinaldo.