Dilma veste casaquinho vermelho, vai à guerra e chama a oposição de golpista em congresso da CUT

  • Por Reinaldo Azevedo/Jovem Pan
  • 14/10/2015 14h20

Presidente Dilma em evento na CUTPresidente Dilma em evento na CUT

A presidente Dilma Rousseff resolveu vestir seu casaquinho vermelho e ir à luta. Horas depois de Lula admitir, num congresso de pequenos agricultores, que ela praticou, sim, pedaladas fiscais, ela própria, na abertura do 12º Congresso da CUT, admitiu o crime, oferecendo a mesma justificativa dada pelo ex-presidente. Foi para manter programas sociais.

Só tomou o cuidado de dizer que outros governos o fizeram antes dela, o que o TCU já constatou não ser verdade no volume, na frequência e na determinação. A presidente transformou a pedalada num jeito de governar. Tanto é assim que a prática se repete em 2015.

Sentindo-se certamente estimulada por uma plateia inteiramente a favor, chamou a oposição de “golpista” e me parece ter estimulado, se necessário, o confronto de rua: “Nenhum trabalhador pode baixar a guarda; é preciso defender a legalidade”.

Claro que é preciso defender a legalidade, que está com aqueles que reconhecem que o impeachment está previsto na Constituição e na Lei 1.079. Dilma abusou da retórica incendiária:
“A sociedade brasileira conhece os chamados moralistas sem moral. E conhece porque o meu governo e o governo do presidente Lula proporcionou o mais enfático combate à corrupção de nossa história. Eu insurjo contra o golpismo. Quem tem força moral, reputação ilibada e biografia limpa, para atacar a minha honra?”.

No governo de Lula, veio à luz, à revelia do governo, o mensalão — e lá estavam figuras de proa da República e do Partido dos Trabalhadores. No governo Dilma, veio à luz, à revelia do governo, o petrolão — e lá estavam figuras de proa da República e do Partido dos Trabalhadores. Há personagens comuns aos dois escândalos. Eis os governos que, segundo Dilma, mais combateram a corrupção.

Esta senhora foi presidente do Conselho da Petrobras no momento em que a então maior empresa brasileira havia se transformado num lupanar. E ela vem se orgulhar de quê? Esta senhora foi presidente da República e, antes, ministra de Minas e Energia e depois da Casa Civil, quando uma quadrilha passou a comandar a estatal, e ela vem arrotar a sua superioridade moral sobre os outros? Por quê?

Já escrevi a respeito. Sempre acho engraçado quando esquerdistas atacam o que chamam “moralismo”. No mais das vezes, eles não se conformam mesmo é com a existência de uma moral que não esteja subordinada à conveniência. Porque, afinal de contas, essa é a moral deles. Um esquerdista fará qualquer coisa para ver triunfar o ponto de vista do ente ao qual ele serve — se preciso, mata sem pestanejar. Por isso o comunismo matou uns 150 milhões no século passado. Não fazer a vontade do partido ou não servir às suas necessidades é considerado “moralismo”.

Quem deu a Dilma tamanho destemor? Quem deu a Dilma tamanha coragem? Quem deu a Dilma essa língua muito maior do que a certeza que ela tem de que vai continuar no cargo? Ora, foram dois ministros do STF: Teori Zavascki e Rosa Weber. Concederam liminares contra a tramitação que havia sido indicada por Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, caso ele venha a rejeitar a denúncia. Que fique claro: se ele aceitar e mandar instalar a comissão especial, a decisão estará tomada, e não há Supremo que possa impedi-lo. A menos que saltem de lá homens armados até os dentes para impor a sua vontade a ferro e fogo.

Ainda referindo-se à oposição, afirmou:
“Na busca incessante de encurtar o seu caminho ao poder, tentam dar um golpe. Querem construir de forma artificial o impedimento de um governo eleito pelo voto direto. Jogam sem nenhum pudor no quanto pior, melhor. Pior para a população e melhor para eles.”

É asqueroso, não? Então um governo cercado de corruptos por todos os lados é mesmo um primor de amor pelo povo, mas aqueles que o combatem estão a serviço de seus próprios interesses?

Dilma, aquela que faz rigorosamente o contrário do que prometeu; Dilma, aquela que não pode sair às ruas porque o povo não lhe perdoa o estelionato eleitoral; essa mesma senhora teve a ousadia de afirmar o seguinte sobre seus adversários:

“O interessante é que eles votam contra medidas que eles próprios aprovaram no passado”.

Até parecia que ali não estava a presidente que aplicava medidas que, no passado, ela própria disse que jamais aplicaria.

Para encerrar: dizer isso na CUT é coisa para covardes. Gostaria de ver Dilma fazendo esse discurso na Avenida Paulista!