Doria e Alckmin são sutis, mas aliados fazem o serviço que os dois não querem

  • Por Jovem Pan
  • 17/05/2017 08h24
Jonathan Nóbrega Geraldo Alckmin e João Doria Jr - FAcebook

O prefeito de São Paulo e o governador do Estado começam a trocar beliscões por baixo da mesa na disputa da presidência da República em 2018 pelo PSDB.

Ambos em Nova Iorque, os Estados Unidos, João Doria e Geraldo Alckmin evitam falar abertamente sobre eventuais candidaturas. Mas Doria já admitiu que pode sim ser um nome do partido para a disputa. Questionado se poderia disputar uma prévia, ele afirmou eu se for dentro das cláusulas democráticas, “por que não?”.

Já Alckmin foi mais claro ao dizer que tudo deve ser resolvido dentro da política, em uma indireta fora de timing ao prefeito e apadrinhado, que afirmou em campanha à Prefeitura de que não era um político, mas um gestor.

Enquanto os tucanos não brigam diretamente para a disputa da presidência pelo PSDB, os aliados de cada um são mais diretos.

“Aliados estão em tom acima. O responsável pelas redes sociais do prefeito disse em entrevista que um candidato à presidência não pode estar implicado na Lava Jato. Já os aliados de Alckmin dizem que Doria deve cumprir seu mandato como prefeito. Os aliados começam a fazer o serviço que os dois não querem fazer”, diz Vera Magalhães.

Confira o comentário de Vera Magalhães:

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.