É preciso crer

  • Por Jovem Pan
  • 30/12/2016 13h34
Freeimages Esperança

Neste último comentário de 2016 para o Jornal da Manhã, quero sair do mundinho da política e olhar para o futuro, para 2017, com esperança.

É verdade que precisaremos estar atentos, vigilantes, sempre. Os pilantras estão aí e permanecerão. Não é uma condição exclusivamente brasileira.

Ocorre, porém, que há gente boa e há o certo. Devemos nos esforçar para distingui-los e honrá-los. Devemos nos cultivar para evitar generalizações. Só os bandidos se beneficiam da miséria de quando nos acreditamos cercados somente pelo mal. O bem existe.

Se me for permitido lhe dar um conselho, direi para que não abra mão de seu senso crítico e valores quando pressionado pela propaganda relativista segundo a qual coisa alguma é tão boa ou ruim assim.

Isso só interessa para destruir os séculos de civilização que erguemos. Destruir é fácil e pode ser atraente, como o pop. Mas não foi senão valorizando e investindo nas tradições e na cultura curtidas por nossos antepassados, que apuramos nossas formas de criar e conviver, essas verdadeiras artes. Devemos, sim, nos orgulhar de nossas fés e exercitar nossas crenças, sejam quais forem. Mas sem que isso signifique desacreditar no homem, no próximo.

É preciso olhar tanto para dentro quanto para fora. É preciso crer na família, seja ela qual for para você, seja ela como for.

É preciso crer. Feliz Ano Novo.