Emissários de governador do Amazonas negociam apoio com crime organizado

  • Por Jovem Pan
  • 20/10/2014 12h21

Reinaldo, então há emissários de um governador fazendo acordo eleitoral com um traficante?

Há sim, infelizmente! Os Poderes instituídos do Brasil não podem fazer de conta, nesta segunda-feira, que nada aconteceu ou está acontecendo no Amazonas. Reportagem de Leslie Leitão na VEJA.com relata um absurdo, um escândalo sem precedentes, um disparate. Autoridades que falam em nome do governador José Melo (PROS) negociam abertamente com o maior traficante do Estado o apoio do crime organizado a Melo, que disputa o segundo turno da eleição com Eduardo Braga, do PMDB. Agora dá para entender por que um dos Estados menos habitados do país, 15º no ranking das 27 unidades da federação, é também um dos mais violentos: 11º lugar no ranking de homicídios, com 36,7 mortos por 100 mil habitantes. É mais do que o triplo de São Paulo. A presidente Dilma Rousseff fez uma longa digressão a respeito de segurança pública no debate de ontem. Melo é seu aliado. O governo ajudou a criar o tal PROS, o partido ao qual pertence o sujeito.

A transcrição dos diálogos é asquerosa. O encontro se dá nas dependências do Complexo Penitenciário Anísio Jobim, a maior unidade prisional do Amazonas. De um lado, o traficante José Roberto Fernandes Barbosa, líder da “Família do Norte”, que domina a venda de droga e os presídios no Estado. Do outro lado, ou do mesmo lado?, o subsecretário de Justiça e Direitos Humanos, órgão responsável pelo sistema penitenciário no estado, major Carliomar Barros Brandão.

A conversa, gravada por um dos presentes à reunião, não deixa a menor dúvida sobre o que se estava fazendo lá. Diz o traficante: “Vamos apoiar o Melo, entendeu? A cadeia… Vamos votar, minha família toda, lá da rua, entendeu? Não tem nada não (…). A gente quer dar um alô, que ele não venha prejudicar nós. E nem mexer com nós”. E o subsecretário promete: “Não, ele não vai, não”. E esse acordo fica explícito: “A mensagem que o governador mandou para vocês, agradeceu o apoio e que ninguém vai mexer com vocês, não”.

Mais escandaloso ainda: durante a conversa, o bandido confessa à autoridade que ele manda eliminar os adversários mesmo. E deixa claro que aprova as ações do governador Melo: “Tá vendo o que está acontecendo em Santa Catarina? É o comando dos caras, que estão rodando lá por causa do governo dos caras. Tá vendo aqui, a cadeia tá tudo em paz porque o governo daqui não mexe com nós”.
VEJA ouviu o tal Carliomar: ele admite que estava no presídio em missão oficial, com conhecimento do secretário de Segurança Pública.

As conversas, vejam lá no meu blog, são explícitas, são arreganhadas, são inequívocas. O poder estadual está negociando a segurança pública com o crime organizado em troca de votos. O mínimo que a Procuradoria-Geral da República tem de fazer é solicitar a intervenção federal no Estado. A população do Amazonas corre o risco de votar em José Melo e acabar elegendo, sem saber, traficante como secretário de Segurança Pública.

Este senhor não pode ser eleito. Se eleito, tem de ser deposto pela lei e pelo bom senso.