Empresários começam a falar sobre o escândalo do petrolão

  • Por Jovem Pan
  • 04/12/2014 11h12

Depois das delações premiadas do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, chegou a vez dos empresários abrirem o bico e falarem o que sabem sobre o escândalo do petrolão.

O executivo Augusto Ribeiro de Mendonça, da Toyo Setal, o segundo a fechar acordo com a Justiça, também jogou areia no ventilador dos políticos, mais precisamente de um partido político.

Augusto revelou em depoimento: parte da propina paga pelas empreiteiras foi doada ao Partido dos Trabalhadores.

Segundo o executivo, entre 2008 e 2011, foram pagos aproximadamente 4 milhões de reais ao PT.

Se for verdade o que diz o diretor da Toyo Setal, o escândalo da Petrobras está cada vez mais enredado nos governos de Dilma e Lula, e vai ser difícil dissociar o PT do petrolão.

Como de costume, o ex e a atual presidente deverão alegar que não sabiam de nada, ou que não beneficiaram do esquema de propina e desvio de dinheiro público, como aconteceu com o Mensalão.

Dilma e Lula ainda poderão alegar que as contas de campanha do Partido dos Trabalhadores foram aprovadas pelo Tribunal. Um oportuno álibi jurídico. Pois, se a própria Justiça não encontrou, à época, ilegalidades nas doações de campanha, o PT não teria o que temer.

Assim, criador e criatura estariam, em tese, a salvo da saraivada da oposição.

Mas, a nova revelação de que o PT teria recebido propina em forma de doação ainda dará muita dor de cabeça ao partido. A oposição certamente usará a informação para bombardear ainda mais a presidente e seus asseclas.

E os milhões de insatisfeitos pelo Brasil afora que vêm se organizando em protestos contra o atual governo terão mais um motivo para pedir o impeachment de Dilma.

O caldo está esquentando e pode até entornar.