Envio de forças armadas a presídios é adiado

  • Por Jovem Pan
  • 23/01/2017 12h59

Soldados do Exército mantêm o controle do acesso à comunidade Vila do JoãoABR - Soldados do Exército mantêm o controle do acesso à comunidade Vila do João

O Amazonas é um dos Estados que já requereram o uso das forças armadas para fazer varreduras e limpeza nos presídios e celas.

O envio das tropas, no entanto, deve atrasar, informa a colunista Jovem Pan Vera Magalhães. O prazo deve ser maior que o anunciado pelo ministro da Defesa Raul Jungmann na semana passada , que tinha previsto de oito a dez dias.

A condução do Exército para ajudar a combater a crise nos presídios deve começar apenas na semana que vem. Isso porque ainda há muitas questões de logísticas a serem definidas. O governo se esforça em evitar ao máximo que os soldados das forças armadas tenham qualquer contato com os membros das facções criminosas que dominam os cárceres brasileiros.

O planejamento prevê que tropas usadas em um Estado serão deslocadas de outra unidade da federação apenas na véspera. Os soldados serão avisados que farão parte das operações federais em cima da hora para que não haja risco de vazamento de informações ou contatos com o crime organizado.

As autoridades enfatizaram que os membros das forças armadas não terão nenhum contato direto com os detentos, mas farão apenas a varredura das instalações.

As forças de segurança locais, talvez com o auxílio da força nacional de segurança, serão as responsáveis por deslocar os presos e debelar eventuais rebeliões antes da entrada das forças armadas.