Estamos à espera de mais informações sobre a péssima compra da Petrobras

  • Por Jovem Pan
  • 20/03/2014 13h53

Nêumanne, quem é o grande responsável pelo péssimo negócio que o Brasil fez com a tal da refinaria de Pasadena comprada a peso de muito ouro pela Petrobras?

Vejo estarrecido no jornal que a presidente Dilma Rousseff admitiu que foi mal assessorada na questão da compra da refinaria da empresa belga em Pasadena, nos Estados Unidos, e que o relatório não era suficiente e nem adequado para a orientá-la na decisão que ela tomou.

Bem, é uma coisa espantosa, porque a presidente é tida como uma grande gerente, um grande exemplo de gerência, de gestão em todos os quadros do PT; foi vendida assim pelo seu antecessor Luis Inácio Lula da Silva, que é o grande fiador dela, uma vez que é ele, e não ela, que é o grande detentor da simpátia, do carisma e do voto do eleitor.

O mínimo que se espera de um gestor é que ele tenha a assessoria certa, que escolha bem os assessores; mas também que tenha uma ideia mínima. Uma economista não ter uma ideia de que uma empresa, que não vale 100 milhões de dólares, ser comprada por 1 bilhão e 200 milhões de dólares é absurdamente pouco dotada para tomar decisões importantes como esta e como outras mais que ela tomou como ministra da Energia, ou chefe da Casa Civil ou, principalmente, como presidente da República e, agora, candidata à reeleição – ficar mais quatro anos do governo.

Ao assumir o erro do assessor, a presidente, primeiro, admite algo muito grave – o negócio é muito danoso para o interesse brasileiro -; dá um sentido diferente, novo e completo ao artigo excelente do companheiro Elio Gaspari, na Folha e no Globo nesta quarta-feira, em que ele mostra o desastre feito pelas duas gestões do PT na Petrobras, na Eletrobras e na Educação, e, sobretudo, não explica nada – é apenas um… confirma também o estilo dela de estar sempre transferindo a culpa para alguém. A última vítima são os rios da Bolívia.

A questão agora é saber o seguinte: alguém ganhou muito dinheiro com esse negócio. Um negócio de 100 milhões que foi vendido por 1 bilhão e 200 significa uma comissão de invejar – 1 bilhão e 100 milhões de dólares de comissão. Quem ganhou. Quem ganhou vai ser identificado, vai ser processado e vai ser punido da forma da lei, apresentado como um ladrão à sociedade. E o assessor que deu a má informação? Quem é? O que faz? Estamos a espera.