Fazer pressão na marra é desconhecer os princípios elementares de uma democracia

  • Por Jovem Pan
  • 01/05/2014 15h59

Fernando Haddad (camisa azul) sobe em carro de som e conversa com manifestantes durante protesto do MTST no dia 26/03

Fernando Haddad sobe em carro de som durante protesto do MTST

A aprovação do novo Plano Diretor foi uma grande vitória do prefeito Fernando Haddad; ela compensa a violência ocorrida na terça-feira a noite em frente a Câmara Municipal?

Vereadores do PV e do PSDB têm razão quando atribuem culpa ao prefeito Fernando Haddad pela violência com que militantes Sem-Teto se comportaram quebrando tudo e ameaçando invadir a Câmara na noite de terça-feira.

Aconcetece que no mês passado, durante o protesto do Movimento dos Sem-Teto, Haddad foi alvo de uma manifestação diante da Prefeitura e subiu num carro de som do grupo fazendo promessa que condicionou a atuação dos vereadores e declararia como interesse social para habitação uma invasão da zona Sul, conhecida como Novo Palestina, mas dependendo da aprovação do plano pela Câmara.

E isso levou os Sem-Teto a pressionar os vereadores na votação na terça-feira e quando o presidente da Câmara que é petista anunciou que seria adiado, aí o “pau quebrou” mesmo pra valer. Esse plano vai ser aprovado por bem ou na marra, gritou um dos Sem-Teto do carro de som na terça-feira a noite, segundo o registro feito no caderno Cotidiano da Folha de São Paulo. “A culpa do confronto com a PM é dos vereadores que adiaram a votação para evitar que o povo acompanhasse”, disse outro militante.

(Pneus são incendiados durante protesto de grupos sociais, como o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, na região da Câmara Municipal de São Paulo (SP), nesta terça-feira (29) – Renato S. Cerqueira/Futura Press/Folhapress)

A questão toda é seguinte: O povo tem direito de atuar, todo mundo tem direito de se manifestar, é um direito igual para todos e faz parte da democracia. Mas, primeiro: não se pode aplicar a violência. Segundo: A democracia ainda é uma instituição representativa, ou seja, os cidadãos são representados pelos parlamentares, sejam deputados estaduais, federais, senadores e vereadores. E tudo deve ocorrer dentro das normas da Democracia representativa, que é baseada na questão da proporcionalidade dos partidos que expressão as pressões da sociedade.

Fazer pressão na marra ou fazer como a militante que culpou a polícia por ter ido reprimir a violência é desconhecer os princípios elementares de uma democracia e trabalhar de certa forma para sabotar. O prefeito também trabalhou pra sabotar agora que ganhou e pode comemorar, podia fazer ai mea culpa, recuar e pensar melhor antes de tomar atitude como aquela que tomou no mês passado.