Gilmar Mendes abrirá divergência contra termos de delação da JBS

  • Por Jovem Pan
  • 23/06/2017 14h57
BRA101. BRASILIA (BRASIL), 08/06/2017 - Fotografía con múltiples exposiciones del presidente del Tribunal Superior Electoral, Gilmar Mendes, quien participa hoy, jueves 8 de junio de 2017, en el tercer día del juicio por supuesta corrupción en la campaña presidencial que compartieron en 2014 la destituida Dilma Rousseff y el actual mandatario Michel Temer, en el Tribunal Superior Electoral, en Brasilia (Brasil). Esta tercera sesión lleva al proceso a su fase decisiva, pues servirá para terminar de resolver cuestiones preliminares formuladas por las defensas y dará paso al voto de los siete magistrados, que configurará la sentencia. EFE/Joédson Alves EFE/Joédson Alves Presidente do TSE Gilmar Mendes durante julgamento da chapa Dilma-Temer; contradições escancaradas

Mesmo sendo voto vencido, o ministro do STF Gilmar Mendes vai abrir uma divergência quanto aos termos da delação da JBS. A informação é da colunista Jovem Pan Vera Magalhães.

Mendes lista outros ministros que fizeram a ressalva de que o acordo pode ser revisto na hora da sentença: Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, que já votaram.

Marco Aurélio Mello ainda votará e também e pode acompanhar os colegas.

Mesmo questionando as colaborações premiadas, Mendes vai acompanhar os colegas de togas e votar a favor da manutenção de Edson Fachin na relatoria do caso.

Sete ministros já votaram por preservar o negociado nos termos de delação no momento da homologação judicial. O julgamento será retomado apenas na próxima quarta-feira (28).

Assista ao comentário completo:

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.