Hábitos: Saiba o que é e como mudar

  • Por Leo Fraiman / Jovem Pan
  • 06/02/2014 10h05 - Atualizado em 20/09/2017 09h37
maus hábitos 170412

Você já deve ter percebido que identificar e mudar hábitos são tarefas complicadas. Algumas ações já estão tão fixadas em nossas rotinas, que alterá-las parece ser quase impossível. Isso acontece porque os hábitos auxiliam o cérebro a economizar energia, e fazem isso tornando alguns comportamentos do dia-a-dia praticamente “automáticos”.

Há hábitos que nos fazem bem, como os da higiene: lavar as mãos antes de comer um alimento previne que possamos contrair bactérias, por exemplo. E quando temos essa ação já “plantada” em nosso cérebro, por meio do hábito, não precisamos nem nos lembrar de lavar sempre. Faremos a ação automaticamente, como parte do processo de ingestão dos alimentos.

Porém, há hábitos que são prejudiciais para a nossa vida e que podem atrapalhar nossa qualidade de vida e o convívio com outras pessoas. Para mudá-los, precisamos primeiro entendê-los. Charles Duhigg, autor do livro O Poder do Hábito, explica melhor como funciona esse processo através de três etapas: a deixa, a rotina e a recompensa. Há uma deixa que cria o hábito, fazendo este se tornar parte da rotina. Por fim, surge a recompensa por aquilo que se buscou com a deixa.

Tomemos como exemplo o café. Uma deixa pode ser fazer uma pausa no trabalho ou recarregar as energias. Este hábito torna-se parte da sua rotina, fazendo com que você saia todo dia à tarde do escritório para beber café. A recompensa é, então, a busca pelo alívio da tensão. Apesar de trazer satisfação a longo prazo, a deixa, no caso o café, te provoca alterações no sono e gastrite. Ou seja, esse hábito pode se tornar prejudicial para a sua vida.

O reconhecimento de bons e maus hábitos podem tornar a rotina mais sadia e proveitosa. Para mudá-los, o autoconhecimento é essencial, pois a partir dele conhecemos a razão dos nossos hábitos. Outro elemento-chave é testar as recompensas: já que, no caso do exemplo acima, a recompensa é desestressar, por que não trocar o café por uma caminhada ao ar livre?

Pequenas mudanças e uma reflexão sobre como agimos pode proporcionar uma melhoria considerável do nosso estilo de vida.

Leo Fraiman é psicoterapeuta, mestre pela USP, escritor e palestrante.

Colaboração: Débora Fiorini, jornalista.

Fale com o autor: leo@fraiman.com.br