Haddad joga Sem-Teto contra vereadores de São Paulo

  • Por Jovem Pan
  • 27/03/2014 10h31

Reinaldo, quer dizer que ontem o prefeito Fernando Haddad jogou os Sem-Teto contra os vereadores de São Paulo?

Jogou sim, e foi coisa feia. Haddad não se emenda, não tem jeito. Ele parece desconhecer o Bê a Bá da civilidade, que se pauta pelo respeito às leis, pela independência entre os poderes e pela observância das normas democraticamente pactuadas.

Ontem, mais uma vez, movimentos de Sem Teto infernizaram a vida da cidade de São Paulo. Na liderança o tal MTST, Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto. Se trabalham, parece que ontem resolveram faltar. O que fez Haddad? Poderia, por exemplo, ter recebido uma comissão para negociar.

Mas eles estava afim, como diz a meninada, de “causar”. Desceu de seu gabinete e decidiu subir no caminhão de som dos auto-intitulados Sem-Teto. E sabe o que ele fez? Disse que atenderia à reivindicação que eles faziam se a Câmara dos Vereadores aprovasse o Plano Diretor que ele apresentou. Ou por outra, o prefeito usou o MTST para chantagear e pressionar os vereadores.

E qual era a reivindicação da turma? Que uma área invadida, de preservação ambiental, chamada Nova Palestina, seja destinada oficialmente a moradias. Há um decreto do ex-prefeito Gilberto Kassab que transforma o imenso terreno num parque. Haddad disse que revogaria o texto se os vereadores aprovassem o Plano Diretor.

Ora, o que fizeram os Sem Teto? Aplaudiram o valente e se dirigiram imediatamente para a Câmara dos Vereadores. O próprio Haddad entendia que a área, vizinha à represa de Guarapiranga e ainda coberta por um trecho de Mata Atlântica nativa, deveria ser destinada à preservação ambiental. Mas sabem como é, a popularidade do homem está em baixa. Em algum lugar ele tem de se encostar, e a ordem do PT é se aproximar o máximo possível dos ditos “movimentos sociais”. O resto da população que se dane.

Assim, vejam que fabuloso, nesta quarta o senhor Fernando Haddad disse ao MTST que causar severo transtornos na cidade por nove horas vale a pena e merece compensação. Estimulou que novas áreas de preservação ambiental sejam invadidas e ainda jogou os manifestantes contra os vereadores. A ruindade deste senhor à frente da prefeitura de São Paulo, estou certo, ainda será matéria de curiosidade científica. Ainda será estudada nas universidades. Ainda será teses de doutorado.

Já disse aqui mais de uma vez que eventuais confrontos dos movimentos de Sem-Teto com Haddad são meramente episódios. Eles são aliados. Ter o PT há frente do poder Executivo, em qualquer esfera, cidade, Estado, ou Federação, significa ter o poder público refém dos movimentos dos “Sem Alguma Coisa”.

Sem-Teto, Sem-Terra, “Sem Isso”, “Sem Aquilo”. A reivindicação é legítima, paralisar a cidade para impor uma pauta de reivindicações, não. Mas Haddad, como se vê, estimula a bagunça.