Hillary vai vencer por não ser Trump

  • Por Caio Blinder/Jovem Pan Nova Iorque
  • 07/11/2016 20h11
CDA080. LAS VEGAS (EE.UU.), 19/10/2016.- La candidata Demócrata Hillary Clinton (d) sale luego del debate con el Republicano Donald Trump (i) hoy, miércoles 19 de octubre de 2016, en la Universidad de Nevada en Las Vegas (EE.UU.). EFE/GARY HE EFE/GARY HE Hillary Clinton e Donald Trump durante segundo debate eleitoral nos EUA - EFE

É hoje, finalmente, dia da eleição americana. Tenho sentimentos ambíguos. Com Donald Trump na parada, não precisava quebrar a cabeça para arranjar assunto. É espetáculo embalado. Ué, já estou dando de barato que ele vai perder?

Sim, vou arriscar minha crediblidade (o que sobrou dela), pois este é o papel de comentarista. Claro que a gente prefere o suspense, mas na tragicomédia que tem sido esta eleição americana nunca houve tanto suspense assim.

Ouça o comentário completo aqui

Ao longo dos meses, desde que Trump foi consagrado candidato republicano, a democrata Hillary Clinton tem mantido uma vantagem consistente nas pesquisas, às vezes mais confortável, às vezes menos. Raramente Trump passou na frente e isto aconteceu em pesquisas de metodologia duvidosa.

Hillary vai vencer por não ser Trump. Trata-se de uma candidata com falhas imensas. Nada, porém, que se compare ao desastre Trump em termos de falta de preparo para o cargo, propostas obscenas e insultos generalizados disparados contra pessoas e grupos. Nunca vamos esquecer que Trump lançou sua campanha ao descer da escala rolante na Trump Tower na Quinta Avenida, vomitando que mexicanos eram estupradores.

Trump vai pagar por isso. Ainda precisamos ter os números obviamente, mas tudo sinaliza uma onda latina contra Trump, de votos da minoria contra um candidato que expressa ressentimento racial e baseia sua campanha demagógica na exibição de bodes expiatórios.

Assista ao comentário ao vivo de Caio Blinder na manhã desta terça feira:

Não há dúvida que há componentes na mensagem de Trump sobre aventuras militares americanas no exterior ou o custo da globalização para setores de trabalhadores americanos que são pertinentes, mas ele é um mensageiro grotesco e repulsivo.

No entanto, vamos falar de outras mensagens. Sabemos dos suspeitos habituais nesta eleição: homens brancos de menor nível educacional são o núcleo duro de sustentação de Trump; latinos, negros e jovens (os dois últimos setores com menos entusiasmo) são os votos confiáveis para Hillary. E é claro que não podemos esquecer as mulheres em geral. São maioria do eleitorado e em sua maioria estão com Hillary. As razões são óbvias,

Mas existe um outro divisor crucial neste ciclo eleitoral. Com a presença de Trump, os republicanos perderam um tradicional bloco de sustentação: brancos com melhor nível educacional. De acordo com as pesquisas, ele bate em Hillary entre brancos sem diploma universitário por 30 pontos. Entre brancos com diploma, a vantagem da candidata democrata é de 10 pontos. E especificamente entre mulheres, a diferença é bem mais acentuada.

Na eleição do maridão Bill em 1992, havia o bordão “É a economia, estúpido!” Em 2016, É o diploma, estúpido!

Agora, resta apenas esperar que este branco com diploma universitário não esteja fazendo uma estupidez ao antecipar a vitória de Hillary nesta terça-feira!