Jornalista egípcio quer multa a Israel por 10 pragas da Bíblia

  • Por Jovem Pan
  • 01/04/2014 17h01

A sétima praga do EgitoA sétima praga do Egito

O colunista egípcio Ahmad Al-Gamal, do jornal Al-Yawm Al-Sabi, pede que o governo de seu país exija a reparação diante das “10 pragas do Egito”. Diz ele: “Queremos compensação pelas pragas que foram infligidas sobre nós como resultado das maldições que os antepassados dos judeus lançaram sobre nossos antepassados”.

“Eles não mereceram pagar pelo erro que foi cometido pelo Faraó, e não pelo povo egípcio. O que está escrito na Torá (Antigo Testamento, Pentateuco, ou o livro sagrado dos judeus) prova que foi o Faraó quem oprimiu os filhos de Israel, e não o povo egípcio”.

No relato bíblico, o Faraó escravizou o povo judeu quando este cresceu muito em número e força, e os filhos de Jacó e José ficaram subjugados por 400 anos nas terras do Rio Nilo. Então, o rei do Egito impede que Moisés conduza o povo de Israel por sua peregrinação. A cada negação de pedido do líder judeu, Faraó e o povo egípcio era castigado por uma das pragas divinas. Na ordem, os dez castigos foram: água se transformou sangue, infestação de rãs, piolhos, moscas, doenças nos animais, chagas e úlceras, saraiva com fogo, gafanhotos, trevas e, por fim, a morte dos primogênitos egípcios.

Será que nem algo feito há milhares de anos está prescrito? Exagero?