Mais uma “solução-puxadinho” para a crise penitenciária brasileira

  • Por Jovem Pan
  • 23/01/2017 13h47
BRA03. NATAL (BRASIL), 19/01/2017.- Presos se pelean hoy, jueves 19 de enero de 2017, en cárcel de Alcaçuz, en Natal (Brasil). Presos de grupos rivales comenzaron hoy un enfrentamiento en la Penitenciaria Estatal de Alcaçuz, en la región metropolitana de la ciudad brasileña de Natal, donde el pasado fin de semana fueron asesinados 26 reos. Los prisioneros estaban separados por una barricada construida en el patio de la cárcel, pero, al parecer, un grupo derribó la barrera y internos de ambos lados comenzaron una batalla campal. EFE/Ney Douglas EFE/Ney Douglas Presos armam barricadas e brigam na Penitenciária de Alcaçuz em Natal

Depois de uma semana de inação sem precedentes, em que, com medo de um Carandiru, permitiu que corresse solto um Carandiru promovido pelos detentos, o governo do Rio Grande do Norte resolveu agir. E o que fez? Mandou erguer um muro dentro do presídio de Alcaçuz para separar os presos em conflito. Ou melhor: para separar os grupos criminosos que disputam o poder.

É inacreditável. Fico aqui especulando sobre as cabeças que formulam soluções-puxadinho assim. Não é genial que uma crise de segurança pública que tem o sistema prisional como um dos problemas seja enfrentada com uma decisão que transforma um presídio em dois? Uau. Parabéns ao governador.  Foi eleito mesmo para isso. Negociou com bandidos para muito além do tolerável até para os Freixos da vida

Ouça o comentário completo de Carlos Andreazza no vídeo abaixo: