Morre um ditador, mas a ditadura cubana continua

  • Por Jovem Pan
  • 28/11/2016 11h29
Fidel Castro reaparece em público após 14 meses

A morte do tirano Fidel Castro nesta sexta-feira (25) serve para que se venha à tona a discussão acerca do comunismo. “Morre um ditador, mas a ditadura em Cuba continua”, diz Carlos Andreazza.

O comentarista ressalta que foi de “extrema ignorância” a expectativa mundial de que o povo cubano fosse sair às ruas para comemorar a morte de Fidel. “Quem esperava isso, não faz ideia do que seja um regime como é o cubano”.

Em um local onde há presos políticos, ou seja, um lugar em que a oposição não existe, se comemorar a morte de um opressor é o mesmo que se oferecer a ser preso ou a morrer.

“Quem, por outro lado, usou o silêncio do povo cubano ante a morte para bradar que havia ali um luto, investiu, pelos mesmos motivos, na desonestidade intelectual”, explica Andreazza.

Confira o comentário completo: