Nome de Haddad para presidência do PT não agrada militância paulista

  • Por Jovem Pan
  • 19/10/2016 10h35
BRA53. SAO PAULO (BRASIL), 25/09/2016.- El expresidente brasileño Luiz Inácio Lula da Silva (i) durante un acto de campaña en apoyo al alcalde de Sao Paulo y candidato a la reelección, Fernando Haddad (d), hoy, domingo 25 de septiembre de 2016, por las calles de la periferia de Sao Paulo (Brasil), a una semana de la celebración de las elecciones municipales. EFE/Sebastião Moreira EFE/Sebastião Moreira Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com Fernando Haddad - EFE

O ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, lançou o nome do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, que perdeu a tentativa de reeleição no primeiro turno, fato inédita na capital paulista, para a presidência do Partido dos Trabalhadores (PT).

O nome de Haddad, porém, enfrenta muita resistência inclusive em seu próprio reduto eleitoral, informa a colunista Jovem Pan Vera Magalhães.

Secretários e vereadores petistas fazem muitas ressalvas ao modo do prefeito de fazer política, com pouco diálogo ou participação do partido. Eles lembram também como Haddad gosta de se colocar como um ente à parte do PT e não defendeu a sigla na campanha municipal.

Os paulistas lembram ainda que Haddad chegou a flertar com a ideia de trocar de partido. Eles não não veem o prefeito paulistano como alguém capaz de fazer a “costura” interna no momento em que o PT enfrenta a sua maior crise.

Além disso, Tarso Genro, que levanta o nome de Haddad, não tem maioria internamente. As ideias do gaúcho geralmente rechaçadas pelo campo majoritário do PT, mais próximo ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O mais provável, avaliam outras fontes, é que Haddad, professor da USP, retome sua carreira acadêmica e tente influenciar na chamada “refundação” do PT. As promessas de reconstrução do partido vêm desde 2006, após a eclosão do mensalão.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.