O genocídio armênio reconhecido no Brasil

  • Por Joseval Peixoto
  • 03/06/2015 15h25
SÃO PAULO, SP, BRASIL, 22-07-2010, 14h00: Artes Plásticas: "Monumento em Homenagem às Vítimas do Genocídio Armênio", na praça Armênia, que foi adotado e restaurada pelo grupo Induscred. Parte dos monumentos da cidade não foram adotados pelo programa "Adote uma Obra Artística", da Prefeitura de São Paulo. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress, 4915, COTIDIANO) Daniel Marenco/Folhapress Monumento em Homenagem às Vítimas do Genocídio Armênio

Joseval Peixoto comenta a aprovação do voto de solidariedade do povo armênio, vítima de genocídio durante a Primeira Guerra Mundial.

A Armênia ainda tem colocada na ONU questionamento de tomada de seu território durante o conflito no início da grande Guerra.

O conflito começou em 1915. Toda a população masculina foi reunida, executada e seus corpos, empilhados. Famílias inteiras foram afogadas.

Estima-se que 1,5 milhão de armênios foram executados.

As razões invocadas para massacre foram principalmente traição dos armênios, que teriam colaborado com o exército russo no início da guerra.

Além de uma tentativa de “limpeza racial” na Turquia.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.